JPAI quer melhor “orientação” académica para que os jovens possam garantir um emprego

Cidade da Praia, 29 Mai (Inforpress) – O responsável da Juventude do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (JPAI), Osvaldino Semedo, propôs hoje que haja uma “orientação” académica que ajude mais os jovens na escolha de cursos que lhes deem mais segurança na obtenção de emprego.

Osvaldino Semedo fez estas considerações quando falava à imprensa sobre o tema de uma conversa aberta “Os desafios na busca do primeiro emprego” promovido hoje pela JPAI, na Universidade de Santiago, Pólo da Praia, no seminário São José.

“A nossa ideia enquanto juventude partidária é limitar todo o fenómeno que cria dificuldades à juventude, e o primeiro emprego é uma delas. Por isso, na execução do nosso programa realizamos esta palestra para que os jovens tenham noção do que podem fazer quando buscam o primeiro emprego”, disse.

Segundo o representante da juventude do PAICV da concelhia da Praia, o desempego é um fenómeno que assola a sociedade, particularmente na camada juvenil, e por isso a necessidade de debater o tema e preparar os jovens para a procura do seu primeiro emprego.

Osvaldino Semedo referiu, por isso, numa orientação com mais acuidade junto dos jovens quando estes escolhem a profissão, sobre o que querem seguir, tendo sublinhado ainda que as universidades deveriam pautar também por realizar estudos de mercado no sentido de poderem nortear as formações que apresentam de acordo com os interesses do mercado.

No que concerne à política governamental, apelou à criação de programas de promoção de emprego, parcerias com instituições visando a que os jovens tenham acesso a estágios, assim como criação de mecanismos para que as empresas pudessem absorver mais jovens recém-formados.

Para o palestrante e sociólogo, Henrique Tomás Varela, o primeiro desafio na busca de emprego deve ser a “qualificação”, isso porque, sublinhou, ter uma boa qualificação é a porta de entrada a uma candidatura a emprego.
Conforme explicou, isso porque no século XXI não adianta que o indivíduo seja bom, ele tem antes de tudo de ser “excelente” para superar o que é bom.

“Neste processo a escolha da carreira deve ser pessoal, para que no futuro o formado não tenha conflitos consigo mesmo por ter eleito uma carreira que não lhe agrada. É preciso que ao optar por uma profissão os jovens tenham atitude para saber o que querem”, observou.

Uma escolha errada, asseverou, leva a um profissional a ser fracassado e sem qualquer aptidão.

Além de Henrique Tomás Varela, a palestra foi também animada pelo sociólogo e professor, Elísio Semedo, para quem a experiência é muito valiosa na procura de emprego.

Em Cabo Verde, segundo dados do Inquérito Multi-Objectivo Contínuo (IMC) divulgados pelo INE, a taxa de desemprego de 2017 situou-se em 12,2%, sendo a população desempregada estimada em 28.424 pessoas.

PC/FP

Inforpress/Fim