Intérprete questiona interrupção da transmissão da língua gestual na Televisão de Cabo Verde por falta de financiamento (c/áudio)

Assomada, 07 Set (Inforpress) – A professora e intérprete da língua gestual, Adelsa Tavares questionou hoje a “interrupção” da transmissão da língua gestual nos noticiários da Televisão de Cabo Verde (TCV) por falta de financiamento.

Em declarações hoje à imprensa à margem das comemorações alusivas ao Dia do Surdo Cabo-verdiano e 6º aniversário da Associação Cabo-verdiana de Surdos (ACS), que teve como palco a cidade de Assomada, em Santa Catarina (ilha de Santiago), a também membro desta ONG pediu a sua retoma alegando que “os surdos são humanos e vivem dentro do país e têm direito à informação”.

“Os surdos pagam taxa do serviço público de radiodifusão e de televisão, ou seja, a taxa RTC – Rádio e Televisão Cabo-verdiana (…), então não há recursos? Eles não têm direitos como qualquer outra pessoa”, questionou, apelando a quem de direito para assumir as suas responsabilidades.

“É preciso que as pessoas e o Governo parem para analisarem e pensarem sobre esta situação. São uma minoria, mas têm os mesmos direitos como qualquer outra pessoa”, exteriorizou, lamentando o facto de não se estar a investir na formação dos surdos por serem um “grupinho”.

A transmissão da língua gestual nos noticiários da TCV já tinha sido interrompida outras vezes, alegadamente, também por falta de financiamento.

FM/FP

Inforpress/Fim