Inicio das audiências em Haia sobre sanções que opõem Teerão a Washington

Haia, 27 Ago (Inforpress) – As audiências do processo que opõe Teerão a Washington sobre o restabelecimento de sanções norte-americanas tiveram hoje início no Tribunal Internacional de Justiça.

Durante as audiências, iniciadas pouco após as 10:00 (08:00 TMG) e que devem durar quatro dias, a delegação iraniana pedirá o levantamento das novas sanções norte-americanas, alegando “consequências dramáticas” para a economia iraniana.

Em Maio, o presidente norte-americano, Donald Trump, retirou os EUA do acordo sobre o nuclear, assinado pelo Irão e pelas grandes potências em 2015. O Irão comprometeu-se a não desenvolver mais armas atómicas.

Este retrocesso marcou o restabelecimento de sanções norte-americanas severas à República islâmica, até então suspensas pelo acordo internacional.

Donald Trump defende que as sanções visam “intensificar a pressão” sobre o regime iraniano para “alterar o comportamento”, nomeadamente no que diz respeito às ambições nucleares.

A República islâmica pede ao tribunal sediado em Haia para interromper temporariamente as sanções, ainda que os juízes se pronunciem posteriormente sobre o fundo do acordo.

O Irão afirma que as acções dos Estados Unidos violam numerosas disposições de um tratado americano-iraniano de 1955.

As primeiras sanções norte-americanas, que foram lançadas no início de Agosto, serão seguidas em Novembro de outras medidas afectando o sector petrolífero e de gás, que tem um papel capital na economia iraniana.

No requerimento ao tribunal, Teerão fala de um “cerco” económico imposto por Washington, “com todas as consequências dramáticas que implica para a população iraniana afitada”.

Lusa/fim