Ilha do Sal: Utentes consideram “insustentável” o serviço de atendimento nos correios

Espargos, 05 Set (Inforpress) – Alguns utentes reclamam por melhor serviço de atendimento nos correios, na ilha do Sal, considerando “insustentável” a situação de morosidade e “perda de tempo” para receber e enviar uma correspondência ou encomenda.

Lígia Almeida, que diz já “não ter paciência para tanta lentidão” nos Correios de Cabo Verde, local que, segundo contou à Inforpress, esperou mais de duas horas na fila para colocar uma correspondência, considerando a situação uma “autêntica” falta de respeito para com o utente.

Para Luís Monteiro, outro cidadão, igualmente insatisfeito com o serviço de atendimento naquela instituição, atendendo ao ritmo acelerado em que hoje as pessoas vivem, em que se deve fazer a economia de tempo, torna-se “exaustivo” passar largas horas nos correios à espera da vez para se ser atendido.

“E numa instituição pública que tem todas as condições para funcionar em moldes efectivos, de modo a facilitar na gestão do nosso tempo que é muito precioso”, desabafou, sugerindo a fixação de um leitor de fila, que permite as pessoas tirar a sua vez, ir tratar de um outro expediente, e depois lá voltar.

“Há fila que nos cansa, e nota-se também pouca eficácia por parte dos trabalhadores… talvez desmotivação, problemas não resolvidos… estejam na base dessa situação, e o utente acaba por pagar, fazendo má gestão do seu tempo”, exteriorizou.

Dina Andrade, uma senhora que disse ter saído aborrecida dos correios dada à situação de morosidade, desabafa, dizendo que uma instituição pública daquela envergadura, com “forte” ligação com os utentes, requer “urgentemente” uma intervenção por parte da tutela no sentido de resolver o problema.

“A situação nos correios é insustentável. É uma imagem negativa de uma instituição pública que está ligada a todos nós, já que temos necessidade, quase diariamente, de ir aos correios levantar e enviar cartas e encomendas… assim não dá”, desabafou.

Para uns e outros, esse problema nos Correios, local, deve-se a falta de mais funcionários, já que alguns foram para reforma, e pelo que se sabe não se admitiram outros, continuando duas pessoas no atendimento, como antigamente, quando a ilha tinha cerca de sete mil habitantes.

“Com esta explosão demográfica, provocada pelo desenvolvimento da ilha, os correios deverão também acompanhar esse crescimento com vista a melhorar os serviços e gerar satisfação ao utente”, observaram.

A Inforpress tentou abordar o chefe da agência do Sal, José Ramalho, mas este escusou-se a pronunciar sobre o assunto, tendo também tentado a administração na Cidade da Praia, sem sucesso.

SC/JMV

Inforpress/Fim