Ilha do Sal: Novo ano lectivo arranca com quase sete mil alunos

Espargos, 04 Set (Inforpress) – 17 de Setembro é a data para o arranque do novo ano lectivo 2018/2019, e a ilha do Sal prepara-se para receber 6662 alunos, que serão assistidos por mais de 200 professores distribuídos entre os diferentes níveis de ensino.

A duas semanas para o início das aulas, perspectivando um bom ano lectivo 2018/2019, a delegada da Educação local, Márcia Pinto, assegurou, em entrevista à Inforpress, que todas as condições estão criadas para o regresso às aulas sem sobressaltos.

Quanto ao número de estudantes, a nível do primeiro ciclo – que vai do 1º ao 4º ano -, prevê-se 2934 alunos, distribuídos em 94 turmas e 86 professores.

Já no 2º ciclo, a previsão é de 2316 alunos para 78 turmas e mais de 90 professores, enquanto no Ensino Secundário, a cifra ronda os 1412 alunos, para um universo de 41 turmas e 80 professores, prevendo-se no concelho um total de 6662 alunos para mais de 260 professores.

Entretanto, são números provisórios, já que, conforme explicou Márcia Pinto, continua-se com solicitações de matrículas, anotando ao mesmo tempo que a nível dos docentes prevê-se a entrada de 16 novos professores, para o sistema, de uma forma geral.

“Em relação ao ano anterior, em que recebemos cerca de 57 professores, este ano temos uma estabilidade a nível de docentes. Isto quer dizer que ao longo dos anos o concelho vai estabilizando nesse sentido”, manifestou.

Prestes a começar o ano lectivo, Márcia Pinto aproveita para informar que a delegação do Ministério da Educação e Desporto, no Sal, terminou o ano lectivo 2017-18 com “bons resultados”.

Sustenta que o ano lectivo transacto terminou com “boa taxa” de aprovação, sendo que no 1º ciclo ronda os 90 por cento (%), enquanto no 2º ciclo foi de 80,3%.

Já no Ensino Secundário, segundo Márcia Graça, a taxa mantém-se “mais ou menos estável” em relação aos outros anos, com uma “ligeira subida”, isto é, acima dos 77%, destacando o nível de aprovação no 12º ano, em que se registou uma taxa de 94% contra uma taxa de abandono escolar em cerca de 6,9, acentuadamente no 7º e 8º ano.

Não obstante os desafios e novas apostas educativas, a responsável afirmou que “resta trabalhar com “afinco”, com vista a garantir mais um ano de sucesso escolar.

“Os desafios contribuem para maior engajamento, de modo a ultrapassarmos os obstáculos. Perspectivamos um ano mais calmo, mais suave, mas também de consolidação de boas práticas e de coisas que iniciamos no ano passado”, concluiu.

SC/JMV

Inforpress