Ilha do Sal: Igrejas celebram Páscoa com júbilo norteando à reflexão sobre aquilo que Deus fez para a humanidade

Espargos, 29 Mar (Inforpress) – As igrejas, católica e nazarena na ilha do Sal propõem a celebração da Páscoa com jubilo, mas norteiam a uma reflexão sobre aquilo que Deus fez para a humanidade.

Tradicionalmente, por altura da Páscoa, as igrejas no Sal levam a cabo um programa para marcar a Ressurreição de Cristo, considerada a maior festa na história do cristianismo, o “clímax” da obra de Cristo na cruz do calvário.

Segundo o pastor Luís Monteiro, a Igreja Nazarena inicia o seu programa a partir das 05:30 com o chamado culto de alvorada no Miradouro, seguido de um pequeno almoço na residência pastoral, prosseguindo-se com a escola dominical onde se passa uma mensagem de ressurreição.

Já no culto de família é servido a Ceia do Senhor, e à noite uma cantata e a tradicional cena para lembrar a celebração do triunfo sobre a morte, falando do Cristo ressurecto.

“Os crentes precisam não só saber que Cristo ressuscitou, e esta é a base da nossa fé e pregação, mas devem também saber que o poder que trouxe Jesus Cristo da morte para a vida é o poder também que pode habitar em nós e fazer-nos vencedores em muitas facetas da nossa existência, nomeadamente na luta contra o mal, e da nossa natureza pecaminosa que nos inclina sempre para o caminho do erro”, referiu o evangélico.

“Se esse poder da ressurreição habitar em nós seremos mais do que vencedores”, enfatizou.

Representando, também, uma festa “importante” para os católicos, celebrando a paixão, morte e ressurreição do Senhor, durante esses dias, conforme o padre Adriano Baptista, a Igreja Católica leva a cabo uma vigília, missa do lava-pés, instituição da Eucaristia, hoje às 19:00, onde todos os cristãos são convidados a reunirem-se na igreja para esta celebração.

Já na sexta-feira o dia é para a adoração da Cruz, seguido de via sacra pública, nas cidades de Espargos e Santa Maria, para sábado se manter em silêncio absoluto em vigília pascal, e às 21:30 desse mesmo dia, se celebrar “com alegria e entusiasmo a ressurreição do Senhor, com a grande vigília”.

“Para os católicos, Páscoa é uma festa que chama atenção que Cristo morreu, deu a sua vida por nós e ressuscitou para mostrar que a morte não é o fim. E, a ressurreição do Senhor veio trazer-nos essa garantia: que temos vida para além da morte”, lembrou o pároco.

Tanto para o pastor Luís como para o padre Adriano, “foi para nos salvar do pecado que Jesus sofreu tanto, e isso mostra o amor de Deus por todos nós, manifestado em Cristo Jesus”.

SC/FP

Inforpress/Fim