Inicio Politica Ilha do Maio: MpD repudia intenção da oposição de “tentar manchar o...

Ilha do Maio: MpD repudia intenção da oposição de “tentar manchar o bom nome” da câmara

Porto Inglês, 30 Ago (Inforpress) – A bancada municipal do Movimento para a Democracia (MpD, que suporta a Câmara Municipal do Maio), repudiou hoje a tentativa da oposição de “manchar na comunicação social, o bom nome da edilidade maiense”.

“Sem conseguir justificar a sua não comparência na sessão da Assembleia Municipal, um acto de total desrespeito para com os maienses, a OIAM atira-se à Câmara Municipal do Maio imputando-lhe falsamente factos fictício, com o propósito de manchar o bom nome de uma equipa, que desde sempre tem pautado pela transparência, verdade e prosperidade da ilha do Maio”, afirmou a líder da bancada.

Ivanira Silva afiançou que a oposição tem responsabilidades que lhe foi confiada pelo povo maiense, razão pela qual devia ser mais responsável e evitar agir com “calúnias e suspeições”, que “em nada bonifica o desenvolvimento e bom nome da ilha”.

A dirigente do MpD lembrou ainda que, a bancada da OIAM (oposição camarária) não se fez representar na sessão da Assembleia Municipal alegando atraso no envio de documentos, algo que a líder da bancada considerou ser “descabido”, porque, conforme defendeu, “está plasmado no estatuto dos Municípios Cabo-verdianos e no regimento da Assembleia Municipal do Maio.

“Passam por cima da lei estipulado no regimento da Assembleia Municipal do Maio no seu 5º artigo da Secção II capitulo II direito e deveres dos membros”, notou, lembrando que a palavra “hasta” significa arrematação, leilão, e hasta pública significa tornar algo público.

Existe algum negócio mais transparente do que isso”, questionou Ivanira Silva, arrematando que somente a OIAM consegue ver obscuridade num “leilão” de “um pedaço de terreno”.

Para a líder da bancada do MpD, a oposição nunca mostrou estar a defender os interesses dos maienses na Assembleia Municipal e argumentou como exemplo de que “nesses quase dois anos de mandato, a OIAM nunca viabilizou nenhum instrumento de gestão da câmara, porque sempre votou contra ou abstenção tanto no orçamento, como no plano de actividades, entre outros”.

Ivanira Silva disse ainda que, com esta atitude de tentar boicotar uma sessão para decidir algo “tão importante”, como foi o caso, em que “possivelmente” pode possibilitar a entrada nos cofres da Câmara Municipal mais de 150 mil contos, demonstra claramente que a oposição não quer o bem para ilha.

“Ficou claro que a OIAM e a sua bancada andam a atropelar de forma propositada as leis da Assembleia Municipal do Maio. O que a OIAM vem tentando fazer é simplesmente desrespeitoso para com a Assembleia Municipal, mas principalmente para com os munícipes desta ilha, ao não comparecer numa sessão, como tentou e está a tentar desvalorizar os esforços que estão a ser feitos tanto pelo Governo, como pela Câmara Municipal”, enfaztizou.

Conclui dizendo que, com a venda desse “pedaço de terreno” pode-se ajudar famílias mais afectadas com a seca e o mau agrícola a par do que o Governo e a edilidade maiense tem levado a cabo na ilha com a criação de “trabalhos sazonais e quinzenais e calcetamento de algumas ruas conforme alegam”.

WN
Inforpress/Fim