Ilha do Maio: Ministério da Cultura diz estar aberto para financiar mais escolas de música

Porto Inglês, 08 Mai (Inforpress) – O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas disse hoje, durante uma visita a escola de Morro, que o seu ministério está aberto para financiar mais escolas de música na ilha do Maio, desde que reúnam os requisitos.

Segundo Abraão Vicente, no primeiro trimestre foi lançado o concurso para o reforço das escolas que já tinham iniciado as actividades no ano passado, e, nos próximos meses, vai ser lançado mais um concurso, pelo que disse esperar que outras organizações na ilha apresentem candidaturas.

Conforme adiantou, o Governo está a assumir este compromisso de dotar as escolas de mais equipamentos e, para tal, conta com o apoio da cooperação para a democratização e o ensino e aprendizagem da música em Cabo Verde.

“Estamos a sensibilizar não só o Estado para inserir o ensino artístico na educação normal, mas também as grandes empresas, que apoiem a formação dos alunos, porque é muito fácil pagar um artista com sucesso para subir ao palco e cantar, mas o mais difícil é formar a próxima geração de artistas”, frisou o governante.

Abraão Vicente anunciou que o próximo passo do Programa Bolsa de Acesso à Cultura (BA-Cultura) será dotar as escolas com todos os instrumentos, desde piano, violino, contrabaixo e outros, por forma a que os alunos sejam formados com a qualidade que se almeja, tanto na música tradicional como na música contemporânea.

Por sua vez, o responsável da escola de artística de Morro, Agostinho Silva, disse estar “satisfeito” com o financiamento desta escola, que, na sua opinião, está a despertar o gosto pela música e a arte em si, razão pela qual os alunos mostram-se dedicados e com vontade de aprender todos os dias.

“Estamos num bom caminho e esperamos chegar ao fim com bons resultados, para podermos concorrer à segunda fase e conseguir mais equipamentos e expandirmos a nossa área de formação”, conclui.

A BA-Cultura é um programa que tem por objectivo dar acesso e massificar o ensino das artes em Cabo Verde.

Com este programa pretende-se garantir que a população com menos recursos não fique excluída da “fruição da arte” e também dar a sustentabilidade às pequenas iniciativas nas escolas de ensino artístico.

No âmbito deste programa o Governo, através do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, vem financiando as propinas dos alunos que são de famílias com baixo poder económico, para frequência de aulas de iniciação artística designadamente nas áreas de design, artes plásticas, dança, fotografia, música e linguagem corporal.

WN/CP

Inforpress/Fim