Ilha do Maio: Grupo GAStagus conclui mais uma missão de cooperação levando boa imagem da ilha

Porto Inglês, 27 Ago (Inforpress) – O Grupo GAStagus (Portugal) concluiu, hoje, mais uma missão de cooperação com a congénere do Maio, Pro-Morro, com a duração de um mês, levando boa imagem da ilha.

Em conversa com a Inforpress, a coordenadora do grupo, Maria Santos, informou que durante a estada na ilha, realizaram diversas acções como liderança, motivação, actividades desportivas e com enfoque na área da saúde e na questão do alcoolismo.

“Notamos que há melhoria das pessoas que, em 2016 e 2017, apresentavam valores muito elevados de hipertensão e glicemia, embora seja muito cedo para medir o impacto do nosso trabalho na ilha do Maio nestes três anos”, frisou.

Laura Saraiva, estudante de engenharia do ambiente, avançou que nesta sua primeira deslocação à ilha, teve a oportunidade de trabalhar na questão cultural, com destaque para o teatro, preparando algumas peças, e que foram apresentadas no centro Sete Sóis Sete Luas, pelo que disse sentir-se “gratificante” com o trabalho que ajudou a realizar.

“A imagem que levo é um bilhete de regresso um dia a esta ilha, porque realmente é muito bonita e com um povo que recebe a gente com muito carinho. Por isso, estou encantado com a beleza do Maio e com a morabeza das suas gentes e após o regresso vou incentivar os meus colegas, amigos e familiares para virem visitar a ilha e descobrirem este paraíso”, notou.

Por seu lado, Ana David, estudante de medicina e que também fez a sua primeira participação no intercâmbio, disse que ficou satisfeita por fazer parte desta missão, principalmente por poder dar o seu contributo na sua área de especialização.

Acrescentou, entretanto, que há “algum trabalho a desenvolver” com a população no sentido de promover uma alimentação mais saudável, porque, segundo ela, “existe uma taxa elevada de hipertensão e valor elevado de glicemia e até diabetes”, na ilha do Maio.

A estudante disse ainda esperar que estas acções que estão a desenvolver ao longo dos três anos, nomeadamente feira de saúde e visitas domiciliárias, venham a contribuir para mudar estes hábitos como a redução do consumo de sal e de açúcar.

“Vou muita contente por conhecer a ilha, a cultura e as gentes daqui que nos receberam muito bem, pelo que vou dizer aos que me perguntarem aquando da minha vinda onde fica a ilha do Maio para virem conhecer a ilha, porque vale a pena mesmo, e com o turismo sustentável que se quer só vai trazer mais ganhos para ilha”, enfatizou.

A opinião é corrobada pela voluntária Raquel Neto, que também esteve pela primeira vez na ilha e que se sentiu “encantada” com a realidade maiense, pelo que prometeu ser uma divulgadora dos encantos da ilha junto dos amigos e familiares na Europa.

Por outro lado, Frederico Ferrinho, que durante a sua estada na ilha também deu o seu contributo para despertar nos jovens da localidade do Morro a pratica do desporto, mostrou-se surpreendido com a participação e entrega e disse que a semente já está lançada, pelo que espera que os jovens vão levar avante esta actividade.

WN/CP

Inforpress/Fim