Ilha do Maio continua à espera do cumprimento das grandes promessas feitas ao longo dos tempos – Betú

Porto Inglês, 08 Set (Inforpress) – O músico e compositor maiense, Adalberto Silva “Betú” afirmou que passados 100 anos, a ilha do Maio continua ainda à espera do cumprimento das grandes promessas feitas pelos actores políticos ao longo dos tempos.

Adalberto Silva fez estas considerações em declarações à Inforpress, a propósito do centenário do feriado municipal, que se celebra hoje, tendo afirmado que há uma expectativa muito grande sobre o desenvolvimento do Maio por causa das suas grande potencialidades baseado sobretudo no sector do turismo, que no seu entender, ainda não arrancou efectivamente.

Para o arranque de outro nível de desenvolvimento da ilha, Adalberto Silva defende que a questão das infraestruturas portuária e aeroportuária tem que ser resolvida porque, conforme sustentou, com a melhoria de condições de acessibilidade que já deu sinais de arranque, será possível atrair mais investidores para a ilha.

“Maio continua à espera de ver acontecer a realização das promessas baseadas no sector do turismo, mas acredito que não estará a faltar muito tempo para começarmos a ver o arranque do processo de desenvolvimento do Maio com base o sector do turismo porque há uma luz relativamente às infraestruturas de acessibilidade como o porto, com as obras a arrancarem dentro em breve, e já se fala no novo aeroporto”, declarou.

Disse, por outro lado que apesar dos constrangimentos registados no que concerne a ligação marítima e aérea, a ilha do Maio tem registado nos últimos 20 anos uma constante melhoria nos sectores da energia, água e comunicação.

Entretanto, lamentou de não haver ainda na ilha infraestruturas culturais que na sua opinião contribuem significativamente para promover e dinamizar a cultura maiense, asseverando, no entanto, que tem havido uma forte preocupação por parte da edilidade em preencher a agenda cultural da ilha.

“Penso que o município tem sido mais dinâmico na promoção das actividades culturais na ilha, mas é evidente que faltarão infraestruturas culturais. Não tem um centro cultural, uma sala de espectáculo que é um esforço que ultrapassa a capacidade financeira da câmara municipal, mas em termos de animação cultural nota-se alguma dinâmica”, referiu.

Adalberto Silva aproveitou a ocasião para apelar a um forte engajamento dos jovens da ilha do Maio na contribuição do desenvolvimento da ilha, que necessita de um envolvimento de todos os munícipes para a concretização de um Maio melhor.

“Maio tem muitas potencialidades, mas a geração mais nova é muito exigente em relação às necessidades. Acho que temos que ultrapassar essa exigência dos outros e começarmos a exigir mais de nós mesmos. Os jovens maienses têm que se interrogar sobre o que é que eles estão a contribuir para o desenvolvimento da ilha e não exigir somente dos poderes públicos”, lançou declarando que daqui a 20 anos gostaria de ver um Maio desenvolvido e com inclusão de todas as pessoas que vivem ou que escolheram a ilha para viver.

“Betú” Silva nasceu na ilha do Maio em 1961, é músico e compositor que começa a ter os seus temas gravados no início dos anos 1980.

No entanto, começou a compor na década de 70 e as suas composições encontram-se hoje gravadas pelas vozes mais emblemáticas da música cabo-verdiana como Cesária Évora, Ildo Lobo, Nancy Vieira, Dudú Araújo, Mirri Lobo, entre outros.

Betú é autor da melodia (com letra de Amílcar Spencer Lopes) do Hino Nacional de Cabo Verde, que em 1996 substituiu o anterior hino desde a independência em 1975.

CM/FP

Inforpress/Fim.