Ilha do Fogo: Seis especialistas italianos de diferentes áreas com destaque para cirurgia e anestesia apoiam hospital regional

São Filipe, 28 Abr (Inforpress) – Um grupo de seis especialistas da região centro-sul da Itália encontra-se na ilha do Fogo desde o dia 24, para consultas de especialidades até o dia 02 de Maio, com destaque para a área de cirurgia.

A vinda do grupo de especialistas, composto por anestesistas, otorrinolaringologista, farmacêutico, cirurgião geral, geriatra (especialidade que se preocupa a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idades avançadas) e um dentista, acontece duas semanas depois de outros dois especialistas italianos, da região centro norte, das áreas de otorrinolaringologia e gastroenterologia terem passado pelo hospital regional para consultas e realização de exames.

Evandro Monteiro, director do hospital regional São Francisco de Assis, disse que à semelhança do que aconteceu com a vinda dos outros dois especialistas, as consultas são gratuitas sendo que os pacientes apenas terão de pagar a taxa.

Segundo o mesmo, aquando da vinda dos outros especialistas, o otorrinolaringologista, atendeu mais de 250 pacientes nas consultas realizadas tendo sido selecionados mais de 40 pacientes com patologia cirúrgica e que necessitam de intervenção cirúrgica, anotando que os mesmos foram reavaliados agora e estão a ser submetidos a cirurgias.

A nova equipa, avançou, realizou até sexta-feira, 27, uma média de 15 intervenções cirúrgicas, devendo continuar na próxima segunda-feira com mais cirurgias.

Além das intervenções, este especialista vai avaliar um total de 15 pacientes da ilha Brava que serão encaminhados pela estrutura de saúde daquela ilha na próxima segunda, 30 de Abril.

Neste momento, segundo Evandro Monteiro, as pessoas são recebidas no hospital, mas a ideia, depois de uma boa organização, é fazer deslocar os especialistas pelas diferentes estruturas da região sanitária para consultas e avaliação dos pacientes e os que necessitam de outro tipo de tratamento são encaminhados para o hospital regional.

A nível de gastroenterologia, o director do hospital disse que foram atendidas mais de uma centena de pessoas das quais mais de 30 exames de endoscopia digestiva alta (gastroscopia) e baixa (coloscopia).

Dos exames foram diagnosticados dois casos de cancro de colo que vão ter o segmento com exames de biopsia e recolha de amostra, segundo Evandro Monteiro.

Para o director do hospital São Francisco de Assis, dois casos “não é pouco”, porque, explica, se em 30 exames foram diagnósticos dois casos, isto quer dizer que há indicação para estudos e com resultados “importantes”.

“Por vezes é preciso realizar 500 ou mil exames para conseguir detectar um caso suspeito e em 30 e tal exames diagnosticar um ou dois não é pouco, tendo em conta que a população de Cabo Verde é relativamente jovem e a patologia, em princípio, não devia ter”, disse Evandro Monteiro, indicado que a partir daí os doentes com patologias oncológicas têm toda uma rotina a ser seguida, têm de ser acompanhados pelo oncologista e ter prioridade no sistema sanitário.

Segundo o mesmo, o protocolo de prevenção de cancro recomenda a realização de exames nas pessoas de certa idade com determinada periodicidade, o que não se realiza por falta de meios, seja humanos como materiais, anotando que havendo os meios pode-se implementar o protocolo internacional.

Para o mesmo, existindo os meios pode-se sensibilizar as pessoas para fazer os exames, porque o exame é muito custoso, 12 mil escudos, e nem todos conseguem realizar um exame de controlo anual para saber se é negativo, sublinhando que muitas vezes as pessoas querem ter respostas positivas para entender e valorizar o custo dos exames.

Aquando da estadia do gastroenterologista, este administrou formação teórica e prática para médicos e enfermeiros e com possibilidade da continuidade da formação no exterior (Itália), visando a criação do serviço de gastroenterologia de bom nível na ilha, tendo em conta a oferta de alguns materiais e equipamentos, permitindo a realização de exames a custo social para que o maior número possível de pessoas tenha acesso a esta especialidade.

Em meados de Outubro, o director do hospital regional deverá deslocar-se à Itália para participar num congresso e nesta altura possivelmente deverá celebrar um acordo com o hospital da região para o envio trimestral de especialistas para apoiar o hospital regional São Francisco de Assis.

JR/ZS

Inforpess/Fim