Ilha do Fogo: Prazo para conclusão do projecto de requalificação da piscina natural de Salinas alargado para Abril de 2019

São Filipe, 11 Out (Inforpress) – O prazo para a conclusão do projecto de requalificação da estância balnear de Salinas, denominado de “Ecoturismo da piscina natural de Salinas”, inicialmente previsto para Novembro, foi alargado para Abril de 2019 devido a atraso registado com o embargo.

A organização não-governamental (ONG) portuguesa Esdime, responsável pelo projecto, através de uma nota de imprensa, informa aos parceiros, entidades envolvidas e a população que o projecto “teve um novo arranque, após quatro meses de suspensão devido ao embargo parcial da obra no local onde seria construído o centro multiuso”.

Segundo a nota “o constrangimento já foi superado e o centro multiuso será construído num novo espaço”, nas proximidades do sítio indicado inicialmente e mais perto do mar, garantindo deste modo, a salvaguarda do objectivo inicial que é servir como um ponto de referência e suporte para turistas e visitantes da piscina natural de Salinas e beneficiar toda a comunidade local.

Belício de Pina, da ONG Esdime, disse à Inforpress que o prazo foi alargado por mais quatro meses e que o projecto termina a 25 de Abril de 2019, salientando que os trabalhos de requalificação física do acesso ao local e a instalação de equipamentos de segurança e de lazer já estão em curso.

O responsável sublinhou que a implementação deste projecto vai conferir a Salinas um selo de sítio de grande interesse turístico.

Além das acções físicas, no quadro do projecto estão previstos outras actividades como a primeira edição do «Fórum Salinas», onde todos os interessados serão convidados a discutir e refletir sobre as próximas acções e sobre o futuro dessa região e os caminhos para projetar Salinas cada dia mais como um destino turístico de qualidade.

O fórum, segundo Belício de Pina não tem uma data definida, mas deverá acontecer no final de Outubro, já que para início de Novembro está calendarizada a realização de uma formação, findo o qual os participantes irão propor projectos sociais para beneficiar a própria comunidade.

Além do fórum e formação, estão previstos a realização de campanha de sensibilização da população sobre meio ambiente e como o espaço pode ser conservado, a criação de um centro de interpretação com informação relacionada com o projecto, com Salinas e a sua biodiversidade, visando a capacitação da comunidade para a dinamização económica e para a preservação ambiente do património natural que é Salinas.

O projecto, orçado em cerca de 475 mil euros (52.400 contos), beneficia de um financiamento da União Europeia no valor de 357.499 euros (mais de 39.300 contos), corresponde a 75 por cento (%) do investimento total, como objectivo global a diversificação da oferta turística do Fogo.

A compatibilização da atracção turística com a tradicional actividade piscatória da comunidade é a aposta e o desafio do projecto, que, além do investimento material na recuperação do acesso e envolvente, inclui trabalho de sensibilização, mobilização e capacitação da comunidade.

Salinas é uma baía que abriga um pequeno porto de pesca e uma piscina natural desenhada pela rocha vulcânica e uma das principais referências turísticas da ilha do Fogo.

Com a execução do projecto as autoridades locais esperam que este espaço, que já é visitado por muitos nacionais e turistas, passa a receber muito mais gente porque passa a oferecer outras condições.

JR/CP

Inforpress/Fim