Ilha do Fogo: Irregularidade na distribuição de água deve-se a uma avaria na conduta que está sendo reparada – Luís Alves

São Filipe, 09 Jul (Inforpress) – A irregularidade na distribuição de água à população de Chã das Caldeiras deve-se a uma pequena avaria registada na conduta entre o reservatório e os chafarizes, disse Luís Alves, membro da Comissão Especializada de Economia, Ambiente e Ordenamento do Território.

Em conferência de imprensa para fazer o balanço dos quatro dias de visita que os membros da Comissão Especializada de Economia, Ambiente e Ordenamento do Território efectuaram à ilha do Fogo, o deputado Luís Alves disse que um técnico está no terreno a reparar a avaria na conduta, e que há o compromisso de que até ao final desta semana a situação será resolvida e o abastecimento, normalizado.

A avaria foi tornada pública depois de os membros da comissão terem visitado no sábado, 07 de Julho, a localidade de Chã das Caldeiras onde a população continua a queixar-se de falta de água, apesar da conclusão dos trabalhos de instalação dos equipamentos para exploração da água do furo “FF 58” e da construção de dois chafarizes.

Além da irregularidade na distribuição de água, os membros da comissão destacaram a dinâmica de Chã das Caldeiras, uma povoação importante para o desenvolvimento da ilha do Fogo.

Ao fazer o balanço da deslocação, Luís Alves afirma que ela constitui uma oportunidade para visitar os três municípios e ter encontros com as câmaras municipais e instituições que labutam no dia-a-dia com nas áreas que são responsabilidades da Comissão, nomeadamente economia, ambiente e ordenamento do território.

A Comissão esteve nos três municípios e, além da localidade de Chã das Caldeiras, visitou a zona turística de Salinas, a praia de Fonte Bila e a lixeira municipal que funciona a escassos metros do hospital regional e da zona de expansão da cidade, inteirando-se, assim, dos impactos que a extracção de inertes e o funcionamento da lixeira têm a nível do ambiente.

Em relação à extracção de inertes, Luís Alves observou que está em curso a negociação com privados para instalação de um sistema mecânico de produção de inertes em que as câmaras estão envolvidas. Há também a possibilidade de dragagem de areia, mas, pelas informações repassadas aos membros da comissão pelo edil, a quantidade poderá não ser suficiente para a demanda e o desenvolvimento do sector da construção civil.

Quanto à lixeira, Luís Alves notou que constitui uma preocupação que a comissão especializada leva na agenda, não obstante ter recebido a garantia do edil de São Filipe sobre a deslocação da lixeira, de forma provisória, para um espaço já identificado até à resolução definitiva do problema que passa pela construção de um aterro intermunicipal.

Durante a visita, de acordo com o deputado, os integrantes da comissão tiveram a oportunidade de se inteirarem de tudo aquilo que está relacionado com o programa de mitigação da seca e do mau ano agrícola que, segundo o mesmo, “está a funcionar bem”.

No quadro desse programa e no pilar “mobilização de água”, os membros da comissão tiveram encontros com a delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) e com responsáveis da empresa de distribuição de água Águabrava, e no dizer de Luís Alves, “há uma estabilização de produção de água, principal na zona sul da ilha, que era um problema candente durante vários meses”.

JR/SIC

Inforpress/Fim