Ilha do Fogo: Culturas com “sintomas acentuados de stress hídrico” nas localidades do estrato climático semi-árido

São Filipe, 29 Set (Inforpress) – As culturas de milho e feijões apresentam “sintomas acentuados de stress hídrico” nas localidades do estrato climático semi-árido da ilha do Fogo e em algumas zonas regista-se perdas parciais das culturas.

Dados do Boletim Azagua do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA), referente à segunda década de Setembro, indicam que a nível da ilha do Fogo, nos estratos climáticos húmido e sub-húmido dos Mosteiros, o milho está na fase de floração e frutificação e os feijões na fase de ramificação, com excepção de sapatinha que se encontra na fase de floração e frutificação e em alguma zonas no inicio de maturação.

Neste estrato climático as culturas já apresentam sintomas do stress hídrico devido a fraca humidade do solo.

Nos municípios de Santa Catarina e São Filipe, nos mesmos estratos climáticos, as culturas do milho e feijões estão nas fases de crescimento de folhas e ramificação, respectivamente, excepto sapatinha que está nas fases de floração e frutificação, mas o solo apresenta-se com deficit hídrico.

No capítulo fitossanitário regista-se a presença da lagarta-do-cartucho do milho, nos concelhos dos Mosteiros (Atalaia, Ribeira Ilhéu e Cutelo Alto) e de São Filipe (Monte Vaca e Achada Fora).

Sobre a produção de pasto para os animais, a situação é também diferenciada e, nos Mosteiros, no estrato húmido (Atalaia, Ribeira Ilhéu, Pai António e Cutelo Alto), o pasto apresenta-se com uma altura homogénea, densa e na fase de floração.

Em Santa Catarina e no mesmo estrato climático, o pasto apresenta-se de forma heterogénea, pouco denso e na fase de desenvolvimento foliar, enquanto no município de São Filipe, a situação é parecida a de Santa Catarina, mas com o ciclo vegetativo mais avançado, na fase de floração.

Quanto às localidades situadas nos estratos sub-húmido e semi-árido, o pasto encontra-se com uma altura heterogénea, pouco denso e na fase de desenvolvimento foliar e em algumas localidades na fase de floração, mas no estrato árido a situação é a mesma em todas as localidades, o pasto encontra-se da forma heterogénea, pouco denso e na fase de desenvolvimento foliar.

Em relação ao estado nutricional de ruminantes, a nível da lha do Fogo, nos estratos climáticos húmido, sub-húmido e semi-árido, o estado nutricional é regular devido à disponibilidade de outras fontes de alimentação como subprodutos de agricultura e alimentos compostos, contrariando ao estrato árido onde a situação nutricional do gado é má com registos de mortalidades.

JR

Inforpress/Fim