Fogo: APVF reúne-se em assembleia geral para aprovação do plano de actividades para 2019

São Filipe, 11 Out (Inforpress) – A Associação dos Produtores do Vinho do Fogo (APVF), constituída no passado mês de Junho pelas adegas “Sodade” e “Maria Chaves”, reúne-se no próximo dia 20, em assembleia-geral ordinária para aprovação do plano de actividades para 2019.

Para esta assembleia geral ordinária, a primeira depois da constituição da associação, os membros vão analisar outros aspectos, como a discussão e deliberação do regulamento interno da associação, deliberação sobre os logotipos da associação e do “DOR FOGO”, assim como outros assuntos de interesse para a instituição.

Maria da Graça, membro da APVF, questionada sobre a integração da adega Chã na associação, já que a mesma não participou da assembleia constitutiva, mostrou-se esperançada nesta possibilidade já que como referiu “a união faz a força”.

A APVF foi criada no passado mês de Junho pelas adegas “Sodade” (Mosteiros) e “Maria Chaves” (São Filipe) por solicitação do Instituto de Gestão da Qualidade, no quadro do processo de criação da Denominação de Origem Controlada (DOC) e da Identificação Geográfica (IG).

A APVF, segundo os seus estatutos, tem como princípios fundamentais a liberdade, a democracia, a cooperação e a ajuda mútua, e foi constituída para coordenar, defender e proteger os interesses dos pequenos produtores.

Coordenar as acções dos produtores de vinho agrupados relativamente às entidades públicas, bem como às instituições de crédito, laborais, de seguro e instituições análogas, no âmbito do ramo do sector vinícola ao nível da ilha e do país, organizar serviços de interesse e de intervenção comuns aos produtores associados, racionalizando os respectivos meios de acção e produção, representar os interesses comuns dos produtores associados em juízo e fora dele, fazem parte dos objectivos da sua criação.

A APVF tem ainda por finalidade arbitrar, de acordo com os princípios associativos, os conflitos que surjam entre os produtores associados, promover o desenvolvimento do respectivo ramo agrícola do sector associativo, exercer qualquer outra actividade permitida por lei e consentânea com os princípios associativos e promover e proteger, nacional e internacionalmente, as denominações de origem e indicações geográficas de produtos vitivinícolas da ilha do Fogo.

Segundo os estatutos, a associação pode servir os produtores associados de centro permanente de relações e estudos, procurando realizar em conjunto, transacções vantajosas da aquisição de todos os materiais e produtos de que careçam para o desempenho das suas funções, auxiliar financeiramente, quanto possível, através de uma reserva comum, os produtores associados, criar serviços de assistência técnica, promover e divulgar os produtos dos seus associados no mercado interno e externo.

A APVF realiza encontros periódicos (congressos, reuniões e outros eventos) para a discussão de temas técnicos, organizacionais e didácticos do sector, realizar intercâmbios de informações e experiências com especialistas e associações congéneres do país ou do exterior e realizar concursos de vinhos e seus derivados, reconhecendo apenas aqueles coordenados pela APVF ou por ela homologados.

JR/ZS

Inforpress/Fim