Ilha Brava: Plano de mitigação da seca decorreu “melhor do que nas outras ilhas” – ministro

Cidade de Nova Sintra, 04 Set (Inforpress)  – O ministro de Estado considerou hoje que a situação agrícola na Brava “é melhor do que tem sido reportado”, na sequência de um encontro que manteve com instituições envolvidas na implementação do programa de mitigação do mau ano agrícola.

A ilha, conforme Fernando Elísio Freire, teve um plano de salvamento do gado que funcionou, houve a gestão da escassez da água, assim como um programa de criação de emprego que “correu muito bem”.

O orçamento destas três componentes, segundo o ministro, foi de 30 mil contos, dos quais 11 mil contos destinados a criação do emprego, numa articulação entre a câmara municipal e projectos agrícolas.

“Foram criadas várias infra-estruturas de gestão e produção de água, a nível do salvamento de gado e a nível fitossanitário houve a prevenção de várias doenças nos animais, assim como a gestão adequada de cabeças de gado”, salientou.

Fernando Elísio Freire explicou que o programa foi planeado e executado para um ano, mas após uma análise do Ministério da Agricultura e de acordo com as “previsões e necessidades” dos agricultores e criadores de gado no país, será anunciado “se houve ou não mau ano agrícola”.

Mas, conforme explicou, trata-se de algo que “não é possível controlar” e, sendo assim, “não se pode dizer quais os passos a dar”.

Entretanto, é desejo do ministro que tal não aconteça e que “venha muita chuva” para que haja um “bom ano agrícola”.

“Agora, se a natureza continuar ingrata, o país volta a fazer esforços, visto que o mais importante é a dignidade de cada cidadão”, garantiu Fernando Elísio Freire.

Na ilha Brava, foram implementadas algumas acções a nível da autarquia e do Governo, inclusive a Igreja Adventista elaborou um projecto em que 41 famílias estão a beneficiar de uma cesta básica até Janeiro de 2019.

MC/AA

Inforpress/Fim