Idai: Governo propõe realização de eventos culturais para arrecadar fundos de apoio para Moçambique (c/áudio)

Cidade da Praia, 21 Mar (Inforpress) – O ministro de Estado afirmou hoje que o Governo quer, no quadro da CPLP e através das embaixadas cabo-verdianas, que se realizem eventos culturais para arrecadação de fundos visando apoiar as vitimas do ciclone Idai, em Moçambique.

“Já demos instruções a todas as nossas embaixadas onde existe comunidade cabo-verdiana que organizem eventos para que as receitas sejam revertidas a favor da população de Moçambique, é um gesto simbólico do povo cabo-verdiano, é um gesto de amizade e solidariedade”, declarou.

Fernando Elísio Freire fez estas declarações à imprensa após ter-se reunido com as Forças Armadas, a Associação dos Municípios, a Protecção Civil e a Cruz Vermelha de Cabo Verde, esta quinta-feira, para definir os termos de actuação para ajudar de forma concertada e estruturada Moçambique, após o ciclone Idai, ter destruído estradas, pontes, hospitais e escolas e causado vários mortos.

Segundo o ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e Presidência do Conselho de Ministros e ministro do Desporto, Cabo Verde irá apoiar Moçambique com a disponibilização de cerca de 10 mil contos através do Orçamento do Estado e que o mesmo pretende mobilizar mais dez mil contos junto das empresas para contribuírem para um fundo para Moçambique no valor de 200 mil dólares.

Acrescentou, ainda que da reunião realizada, a Cruz Vermelha disponibilizou contribuir com dois mil contos, adiantando que em termos de equipas as outras estruturas, nomeadamente, as Forças Armadas, em articulação com o Sistema Nacional, enviarão quatro médicos e seis enfermeiros e que a Protecção Civil coordenará toda essa acção.

No quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), ajuntou, o Governo quer que se organize um grande evento cultural e que todo o fundo se reverta para a população de Moçambique, uma iniciativa que conforme realçou, será concertada a nível da referida organização.

“Em articulação com outros países amigos, no quadro da CPLP, em particular Brasil, Portugal e Guiné-Bissau que têm cá embaixadas, o Governo fará contactos no sentido de termos acções conjuntas para os transportes, logística, caso for necessário”, destacou.

Referiu neste sentido, à disponibilidade das Forças Armadas de Cabo Verde em fornecer os fuzileiros navais para fazerem parte da equipa de resgate, criando condições juntamente com os outros países da CPLP para a sua deslocação a Moçambique.

Informou, por outro lado, que a partir de sexta-feira, o Governo abrirá uma conta, que estará instalada na sede da Cruz Vermelha de Cabo Verde para a mobilização do financiamento por parte dos cabo-verdianos, apelando todos os cabo-verdianos a contribuírem para esse fundo.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou perto de 400 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respectivos governos desde segunda-feira.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, decretou o estado de emergência nacional na terça-feira e disse que 350 mil pessoas “estão em situação de risco”.

Moçambique cumpre hoje o segundo de três dias de luto nacional.

A Cruz Vermelha Internacional indicou que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, considerando que se trata da “pior crise” do género em Moçambique.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.


CM/CP

Inforpress/Fim