ICIEG lamenta morte da activista de Género Diana Lima Handem

Cidade da Praia, 08 Jun (Inforpress) – O Instituto Cabo-verdiano para Igualdade e Equidade de Género (ICIEG) manifestou hoje pesar pela morte, vítima de doença prolongada, em Lisboa (Portugal) da activista “de referência internacional” Diana Lima Handem.

Em comunicado de imprensa, enviado à Inforpress, a presidente do ICIEG, Rosana Almeida, disse é que com “profunda dor e tristeza” que tomou conhecimento da “irreparável perda” da activista social.

“É com este sentimento de solidariedade e de ajuda mútua que é lembrada pelo grandessíssimo acervo deixado sobre género a nível internacional. As saudades permanecem e o legado também”, lê-se na nota.

Diana Handem integrou o grupo de apoio técnico regional do UNFPA para a África Ocidental e Central e foi consultora, formadora e mentora, dos quadros técnicos do ICIEG, na altura designado de Instituto para a Condição Feminina (ICF).

De 2002 a 2010 liderou o processo de “mudança de paradigma” nas politicas públicas em Cabo Verde, deixando de ser utilizado o enfoque mulheres e desenvolvimento para a nova abordagem género e desenvolvimento, levando a subsequente mudança de nomenclatura do ICF para ICIEG.

Conforme a nota, durante o seu percurso enquanto activista de Género, Diana Handem ajudou “milhares de mulheres”, promovendo sempre a igualdade de género, tendo sido “admirada” tanto em Cabo Verde como na Guiné Bissau, pela sua “inteligência e proeza”.

Foi mentora e apoiou Cabo Verde na criação do Centro de Investigação e Formação sobre Género e Família, CIGEF.

Ainda, de acordo com o mesmo documento, Diana Handem foi uma das fundadoras do primeiro Centro de Pesquisa fundamental em Ciências Sociais da África lusófona.

CM/AA

Inforpress/Fim