Homicídios quase duplicam em Cabo Verde e crimes de droga aumentam

Cidade da Praia, 21 Out (Inforpress) – Os serviços do Ministério Público de Cabo Verde registaram 354 crimes de homicídios no ano judicial de 2017/2018, mais 166 que no ano anterior, tendo aumentado igualmente os crimes de droga, segundo um relatório oficial.

De acordo com o relatório anual sobre a situação da Justiça, relativo ao ano judicial de 2017/2018, citado pela agência Lusa, o crime de homicídio tentado corresponde a 57% dos registados, seguido dos homicídios simples (22%) e dos negligentes (19%).

A nível nacional, foram resolvidos 230 crimes de homicídios: 123 homicídios simples, 59 homicídios negligentes, 41 homicídios tentados e sete agravados.

Os homicídios simples correspondem a 53% dos resolvidos, seguidos dos homicídios negligentes (26%), dos na forma tentada (18%) e dos agravados (três por cento).

Encontram-se pendentes, a nível nacional, 914 crimes de homicídio, sendo 539 homicídios na forma tentada, 292 homicídios simples, 72 negligentes, sete agravados, três instigações ou auxílio ao suicídio e um a pedido da vítima.

Os homicídios na forma tentada correspondem a 59% dos pendentes, seguidos dos homicídios simples (32%), dos negligentes (oito por cento) e dos agravados, com um por cento.

O mesmo documento indica que os crimes de droga mais do que duplicaram em Cabo Verde, passando de 148 para 406 os processos registados pelo Ministério Público.

Durante o ano judicial de 2017/2018, foram registados 406 novos processos relativos aos crimes de droga.

Os números indicam um aumento de 258 crimes comparativamente aos registados no ano judicial anterior, com 148 processos, o que corresponde a um aumento de 174,3%.

“Os processos registados juntaram-se aos 649 transitados do ano judicial anterior, perfazendo o total de 812 processos movimentados”, lê-se no documento.

Desses processos, foram resolvidos 431, o que corresponde a um aumento da taxa de resolução de 25,3% para 53,1%.

Encontram-se pendentes 624 processos.

Relativamente ao crime de tráfico de pessoas, o documento refere que foram registados nos serviços do Ministério Público três processos, que se juntaram aos quatro transitados do ano anterior.

A lavagem de capitais motivou 23 novos processos, menos 17 do que os registados no ano judicial anterior (40).

Os processos registados juntaram-se aos 81 transitados do ano judicial anterior, num total de 104 processos movimentados.

Inforpress/Lusa/Fim