“Há estrangulamento nas ligações de e para São Vicente” – líder do PAICV

Mindelo, 03 Dez (Inforpress) – A líder do Partido Africano para Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) considerou haver um “estrangulamento” nas ligações aéreas de e para São Vicente, que pôde constatar nas visitas feitas na tarde de hoje a agências de viagens.
Janira Hopffer Almada, que está de visita a Mindelo até esta terça-feira, num programa que inclui visitas a agências de viagem e ainda encontro com forças vivas da ilha, disse ter ficado “constrangida” com o nível de “estrangulamento” que está acontecer.

“O que está a ocorrer é extremamente grave, porque há uma grande desvalorização da ilha por parte do Governo de Cabo Verde e sob um absoluto silêncio da câmara municipal”, advogou, adiantando ser “extremamente difícil” viajar de e para São Vicente e praticamente há que se fazer um périplo para se conseguir sair e chegar.

“Mas, também há uma grande desvalorização dos investimentos feitos na ilha e o aeroporto internacional não está a ser aproveitado para servir o povo e a ilha”, realçou, referindo que a transportadora portuguesa TAP tem seis voos semanais para São Vicente, o que prova que “há procura e demanda e o Governo pura e simplesmente ignora a inexistência de voos dos TACV para à ilha”.

“Essa desvalorização dos investimentos e desconsideração para o povo demonstra também a desvalorização das capacidades das gentes de São Vicente”, criticou, para quem o executivo, com essa atitude, põe em causa “vários negócios e várias micro e pequenas que estão a correr o risco de fechar as portas e mandando para o desemprego dezenas e centenas de pessoas”.

Por isso, segundo a mesma fonte, a situação exige uma “atenção imediata e prioritária” do Governo, que não pode “ignorar as consequências deste estrangulamento”, seja a nível interno ou externo.

Assim, o PAICV, assegurou Janira Hopffer Almada, vai “imediatamente” entrar em contacto com o executivo, mas sobretudo, sugerir a nível parlamentar que seja tomada uma solução, ajuntou, para se retomar os voos directos da TACV para São Vicente e que se estabeleça negociações com a Binter para a reprogramação das deslocações para a ilha.

“Não é compreensível e nem admissível que a ilha de São Vicente seja votada a este abandono que o Governo pretende e os negócios de vários empresários estão a correr o risco de morrerem, porque não há essas ligações”, concretizou.

Na deslocação que se prolonga até amanhã a líder do PAICV pretende visitar ainda o Centro Oceanográfico, a fazenda de Camarão e ainda a comunidade agrícola de Ribeira de Vinha.

LN/JMV

Inforpress/Fim