Guterres diz que “sonha” poder ver solução a “dois Estados” na Palestina

 

Jerusalém, Israel 28 Ago (Inforpress) – O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, defendeu hoje, perante dirigentes israelitas em Jerusalém, “o sonho” de poder ver um Estado palestiniano a viver em paz com Israel, actualmente posto em causa pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

“Eu sonho com a oportunidade de um dia ver na Terra Santa dois Estados capazes de viver em conjunto, em reconhecimento mútuo, mas também na paz e em segurança”, declarou Guterres na primeira visita a Israel e aos territórios palestinianos desde que entrou em funções na ONU, em Janeiro último.

O responsável máximo das Nações Unidas admitiu a existência de “vários obstáculos” no caminho rumo a esse “sonho”. Enumerou a colonização israelita em curso na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental, um movimento que o governo de Israel – considerado o executivo mais à direita na história do país – desvaloriza e diz não ter objectivos políticos.

Mas Guterres também falou da necessidade de condenar o “terrorismo” e “a incitação ao ódio”, questões que constam das frequentes acusações de Israel aos palestinianos.

Na terça-feira, o diplomata português será recebido pelo primeiro-ministro palestiniano, Rami Hamdallah, na Cisjordânia, território ocupado por Israel. Na quarta-feira, estará na Faixa de Gaza.

Guterres deverá fazer um ponto da situação quanto aos esforços de paz na região. No passado, o português já defendeu que “não vê alternativa” a uma solução de dois Estados, ou seja a criação de um Estado palestiniano independente em coexistência com Israel.

Esta solução parece em dúvida actualmente desde que, em Fevereiro, o Presidente Donald Trump se distanciou dessa via.

Guterres chegou a Jerusalém alguns dias depois de uma nova missão norte-americana que, uma vez mais, não referiu a solução “a dois Estados”.

Ao lado de Guterres num encontro com a imprensa, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, também não mostrou qualquer abertura quanto a essa solução, preferindo referir “a obsessão absurda” da ONU quanto a Israel.

“O problema mais urgente” que Israel enfrenta hoje é o Hezbollah e a presença iraniana na Síria, disse o chefe de Governo israelita.

 

Inforpress/Lusa

Fim