Governo trabalha “nova abordagem” do serviço voluntariado para torná-lo mais eficaz – ministro

Espargos, 08 Mai (Inforpress) – O ministro de Estado e dos Assuntos Parlamentares asseverou hoje, na ilha do Sal, que o Governo encontra-se a trabalhar numa “nova abordagem” do serviço voluntariado para torná-lo “mais eficaz e enraizado” na cultura cabo-verdiana.

Fernando Elísio Freire fez essas declarações na cerimónia de celebração do Dia Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, a que presidiu, no Sal, este ano palco central das actividades comemorativas da efeméride, sob o lema “Um sorriso para todos em todos os lugares”.

“O voluntariado torna as sociedades mais responsáveis e activas, os voluntários são essenciais para um desenvolvimento mais inclusivo e eficaz”, sublinhou.

Para o governante, para quem hoje “é pois dia” do chamar de novo a atenção “de todos” para os desafios humanitários de milhões de pessoas vulneráveis em todo o mundo, a Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho é uma “escola dos valores da humanidade”, cuja instituição, reforçou, coloca no centro da vida social cuidar das pessoas.

“A Cruz Vermelha é também uma escola do voluntariado, do amor ao próximo, da promoção da paz e da inclusão social. Hoje, pois, temos de celebrar todos os voluntários da Cruz Vermelha espalhados pelo mundo que com espírito da Cruz Vermelha Internacional lutam arduamente, em todos os lugares, mas sempre com um sorriso para a felicidade e dignidade dos mais vulneráveis”, frisou.

Ao fazer esta leitura, o titular da pasta dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros, apontou que a política pública que o Governo está a executar privilegia “exactamente” a inserção social, cujo modelo, disse, vai assentar como mudança de paradigma para permitir a construção de uma “parceria alargada” com todos, Estado, autarquias locais, Cruz Vermelha e as organizações da sociedade civil.

“Por isso, no centro da acção governativa a política de cuidados. Por isso que temos um plano nacional de cuidados, para cuidarmos, para levarmos um sorriso e permitirmos às pessoas terem direito à dignidade”, enfatizou, mostrando que neste sentido a Cruz Vermelha é uma “parceira incontornável” do Estado.

Por sua vez, destacando os sete princípios “fundamentais”  por que rege a Cruz Vermelha, designadamente humanidade, imparcialidade, neutralidade, independência, voluntariado, unidade e universalidade, o presidente Arlindo Soares de Carvalho disse que a data que ora se assinala, mais do que um “mero ritual”, reveste-se de um “profundo significado”.

“Porquanto fortifica o espírito da missão humanitária, fortalece e estimula a nossa força de vontade na prossecução dos objectivos que o movimento preconiza no contexto cabo-verdiano”, salientou.

Com esse espírito, Arlindo de Carvalho informou que com os projectos sociais, especificamente destinados à infância e à terceira idade, a Cruz Vermelha de Cabo Verde beneficia, directamente e a nível nacional, cerca de 530 crianças e mais de 250 idosos, bem como jovens e adolescentes com um leque variado de acções de benevolência.

“Para que haja sempre e em todos os lugares um sorriso na cara dos mais desfavorecidos, dos mais necessitados, das vítimas da desgraça humana e dos caprichos da natureza, a Cruz Vermelha de Cabo Verde sempre”, concluiu.

SC/AA

Inforpress/Fim