Governo quer tornar efectivo o serviço de protecção Civil em todo o território nacional

Santa Maria, 27 Mar (Inforpress) – O ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, asseverou hoje, na ilha do Sal, que o Governo quer tornar efectivo o serviço de Protecção Civil a nível nacional.

Paulo Rocha fez estas declarações no acto inaugural do Posto Avançado da Protecção Civil a que presidiu na cidade de Santa Maria, onde o centro está montado.

“O serviço de Protecção Civil assume um papel primordial na forma como o Governo e municípios asseguram o bem-estar dos cidadãos, protegendo a sua vida, integridade e património, de todas as ocorrências naturais, algumas nem sempre previsíveis, e outras inerentes à própria vida humana”, observou.

Segundo o governante, a inauguração desta unidade de Protecção Civil de Santa Maria traduz o compromisso da autarquia local em priorizar o elemento segurança, nas questões ligadas à protecção civil.

“Tenho que reconhecer o exemplo da Câmara Municipal do Sal em matéria de preocupação com as questões ligadas à protecção civil”, manifestou, assegurando apoio do Governo através de mais meios e formação a esse nível.

“Com o compromisso de estender, tornar efectivo em todo o território nacional o serviço de Protecção Civil, de garantir muito mais neste processo de preparação e resposta às emergências. O propósito é um só: salvar vidas e o património das populações”, apontou, referindo-se, por outro lado, ao projecto “Cidade Segura”, um programa de segurança alargado para além da vídeo vigilância.

“É muito mais de que vídeo vigilância. Pressupõe reforço da iluminação pública, um projecto que está a avançar e que priorizará o Sal, Santa Maria, também associado à vídeo vigilância urbana, mas com uma outra componente que tem a ver com emergência médica pré-hospitalar, visando a melhoria da resposta em termos médicos, a situações de acidentes”, esclareceu.

“Isto tudo, com a preocupação de garantir a integridade física das pessoas e do seu património”, renovou.

Orçado em aproximadamente um milhão e 800 mil escudos, esta infra-estrutura, construída com material leve, dispõe de seis compartimentos, sendo uma central de comunicação, um gabinete, uma camarata com duas camas, uma cozinha, um balneário, um armazém e um parque de viaturas.

O Posto Avançado da Protecção Civil conta nesta fase inicial de arranque com duas ambulâncias, uma moto 4 – considerado um meio “importante” para primeiros socorros a nível das praias -, tendas, macas, kites vários, prevendo-se, também, a chegada no próximo ano de mais uma viatura de combate a incêndios para a ilha.

SC/JMV

Inforpress/Fim