Governo insta magnata chinês David Chow a investir em todas as actividades capazes de gerar valores para o país

 

Cidade da Praia, 16 Fev. (Inforpress) – O vice primeiro-ministro e ministro das Finanças convidou o magnata chinês David Chow a investir no turismo, na indústria, no sector financeiro, nos transportes aéreos e marítimos e em todas as actividades capazes de gerar valores para o país.

Olavo Correia proferiu estas mensagens durante o acto do lançamento oficial da primeira pedra para a construção da ponte que liga a praia da Gamboa ao Ilhéu de Santa Maria, integrado neste complexo turístico avaliado em 250 milhões de euros, augurando votos para que Chow traga novos investimentos para, também, gerar oportunidades para os investidores.

O governante destacou a grandeza e a ambição do complexo turístico do Ilhéu de Santa Maria, afirmando que o projecto representa a continuação da ambição e inspiração de Cabo Verde, por se tratar, segundo o ministro, de um projecto “especial, com qualidade e ambição à escala global”.

Segundo Correia, o projecto transforma Cabo Verde num espaço de referência a nível global, sublinhando que David Chow “está a fazer muito por Cabo Verde, por esta ilha, e por esta cidade”.

Reafirmou que o governo está a trabalhar para criar as condições para o investimento privados, considerando que a melhor prenda que os privados possam dar ao arquipélago é investir e criar novas empresas, com vista a criação de novos empregos e mais qualidade de vida para os cabo-verdianos.

Projectado para ocupar uma área de aproximadamente 163 mil metros quadrados, o complexo turístico do Ilhéu de Santa Maria terá um resort, um centro internacional de convenções, um centro cultural, incluindo um museu da escravatura, uma boutique-hotel, além de espaços verdes.

O resort será ainda dotado de uma marina com clube náutico e capacidade para entre 20 a 30 embarcações.

A expectativa é que o complexo turístico Ilhéu de Santa Maria venha a gerar 2100 postos de trabalho directos e receber diariamente 12 mil pessoas nos sectores do comércio, lazer, desporto e cultura

SR/JMV

Inforpress/Fim