Governo está a fazer uma “forte reforma” no sector da seguradora contando com apoio do BCV- Olavo Correia

Cidade da Praia, 13 Jun (Inforpress) – O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, disse hoje, na Cidade da Praia, que Governo está a fazer uma “forte reforma” no sector da seguradora e que conta com o apoio do Banco de Cabo Verde (BCV).

Em declarações à imprensa, depois de visitar a recém-aberta Agência da Garantia em Achada Santo António, Olavo Correia esclareceu que essa reforma vai abarcar as áreas do seguro marítimo, seguro obrigatório automóvel e o seguro obrigatório dos profissionais civis.

“Queremos criar um quadro legal moderno para que tenhamos empresas nessa área dos seguros”, ressaltou o vice-primeiro-ministro, prometendo o comprometimento do Governo, particularmente do Ministério de Finanças, nesse processo de expansão da Garantia Seguros para os outros bairros da Cidade da Praia.

Instado a fazer uma análise do sector de seguros em Cabo Verde, Olavo Correia disse que está a “evoluir bem”, levando em conta algumas mudanças efectuadas no ano passado, em matéria orçamental.

“Vamos criar um quadro, quer a nível do Governo quer a nível das empresas, para que possamos crescer muito nos próximos anos, sobretudo, no ramo vida”, promete o governante, lembrando que existe um pacote legal a nível da seguradora que deve ser alterado.

O administrador executivo da Garantia Seguros, Luís Leite, que acompanhou a visita do governante, disse que a inauguração dessa nova agência enquadra-se na política de crescimento da empresa e no reforço da liderança no mercado de seguros em Cabo Verde.

Luís Leite enalteceu a importância da abertura dessa agência por estar sediada no bairro mais populoso da Cidade da Praia e de Cabo Verde, o que, segundo ele, intensifica o política de proximidade com os clientes, com o objectivo de oferecer sempre um melhor serviço.

Sobre a política de alargamento do mercado anunciado pelo Governo, Luís Leite disse que se justifica porque o mercado segurador só representa três por cento do Produto Interno Bruto (PIB), o que, segundo o responsável, permite uma “margem enorme para avançar com novos produtos e sedimentar a cultura de seguros”.

Esta visita enquadra-se no âmbito dos contactos que o governante vem efectuando ao sector privado nacional, para conhecer, in loco, a realidade das empresas cabo-verdianas.

OM/JMV

Inforpress/Fim