Formação e organização entre os maiores desafios da Ordem dos Farmacêuticos – bastonária

Cidade da Praia, 03 Set (Inforpress) – A formação e organização constitui um dos maiores desafios da Ordem dos Farmacêuticos de Cabo Verde, que também quer mais profissionais da área no sector público.

As considerações são da bastonária, Maria da Luz Leite, quando convidada pela Inforpress para falar sobre a situação dos farmacêuticos no país, no âmbito da preparação do XIII Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa, que decorrerá na Cidade da Praia, de 03 a 05 de Outubro.

“O desafio da Ordem, neste momento, é fazer a formação continua dentro do trabalho, por forma a criar condições para que o farmacêutico desempenhe as suas funções, isso visando a sua maior integração no sistema nacional de saúde, em equipas multidisciplinares”, disse.

Isso porque, sublinhou, a classe não quer ver os farmacêuticos apenas a trabalhar nas farmácias privadas, mas também, em outros sectores, uma vez que no privado a carreira não funciona.

Conforme Maria da Luz Leite, dos 96 farmacêuticos inscritos na Ordem, 50 trabalham no sector privado e os restantes nas farmácias, hospitais e na Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos (Emprofac).

O sector público, realçou a bastonária, tem absorvido poucos profissionais da área, razão porque ainda, não existe uma carreira.

Referindo-se ao XIII Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa, explicou, que em 2017, Cabo Verde foi eleito para a presidência da Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), pelo que tem de organizar o congresso, que é realizado bianual em regime de rotatividade, em cada um dos países membros.

A anteceder o congresso, no dia 03 Outubro, está prevista a realização de workshops de diferentes áreas sectoriais (Farmácia Comunitária, Hospitalar e Análises Clínicas), e a 18ª Assembleia Geral da Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa.

O congresso terá lugar no dia 04 de Outubro, sob o tema “O farmacêutico nos sistemas de saúde”, e será presidido pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

“O farmacêutico nos sistemas de saúde”, “Os desafios na intercolaboração médico-farmacêutico”, “Os desafios do combate à resistência antimicrobiana” e “Inovar nos sistemas de saúde”, são os temas a serem abordados.

Participam no XIII Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa, que se realiza num ano em que a AFPLP comemora o seu 25º aniversário, cerca de 150 farmacêuticos de Cabo Verde, Angola, Brasil, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

Esta é a terceira vez que Cabo Verde acolhe o congresso da AFPLP, tendo sido anfitrião em 1999 e 2008.

PC/CP

Inforpress/Fim