Estado de emergência no Egipto, prolongado em Janeiro, termina hoje

Cairo, 13 Abr 2019 (Inforpress) – O estado de emergência no Egipto, instaurado em Abril de 2017 e prolongado pela última vez em Janeiro para entrar em vigor a partir do dia 13 desse mês e por três meses, termina hoje.

A medida de excepção, que alarga os poderes da polícia permitindo buscas e detenções de suspeitos sem mandados dos tribunais, foi decidida inicialmente pelo Presidente Abdel Fatah al-Sisi e aprovada pelo parlamento em Abril de 2017 após o duplo atentado a igrejas de coptas egípcios, que mataram pelo menos 44 pessoas.

Visando enfrentar os perigos do terrorismo, o estado de emergência tem vindo a ser prorrogado desde então.

O Egipto tem enfrentado ataques de grupos extremistas, nomeadamente no Sinai (nordeste), onde está ativo um ramo do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI).

Na passada terça-feira, quatro polícias e três civis, incluindo uma criança, foram mortos e 26 outras pessoas ficaram feridas num atentado à bomba reivindicado por aquele grupo.

O Egipto desencadeou uma vasta operação militar contra os grupos insurgentes no Sinai do Norte, onde suspeita que o EI pretende estabelecer um novo bastião após as últimas derrotas do grupo islamita radical no Iraque e Síria.

Segundo as autoridades, cerca de 600 presumíveis ‘jihadistas’ e pelo menos 40 soldados foram mortos no decurso da campanha militar desencadeada pelo governo egípcio no Sinai.

A campanha militar foi iniciada após o golpe de Estado contra o Presidente islamita Mohamed Morsi em Julho de 2013, e liderado pelo actual chefe de Estado e ex-marechal Abdel Fatah al-Sisi.

O estado de emergência foi inicialmente declarado em algumas zonas da península do Sinai em Outubro de 2014.

Inforpress/Lusa/fim