Embaixada dos EUA está interessada em apoiar a diversificação da economia no interior da ilha de Santiago

São Miguel, 06 Mar (Inforpress) – O embaixador dos Estados Unidos da América (EUA), Donald Heflin, disse hoje que a economia rural em Santiago precisa se diversificar e não ficar a depender, futuramente, da chuva a cada ano, tendo em conta que a mesma cai irregularmente.

O diplomata americano fez estas considerações em declarações à imprensa, no âmbito da visita que efectuou hoje ao concelho de São Miguel, para se inteirar da execução do Plano de Acção do Governo com vista à mitigação dos efeitos da seca e do mau ano agrícola, onde tomou contacto com o andamento dos projectos financiados pelo governo americano, inaugurando, por outro lado, o projecto Rabelarte na comunidade dos Rabelados em Espinho Branco.

O embaixador, que foi acolhido nesta visita pelo edil local, Hermínio Fernandes e sua equipa, mostrou-se satisfeito com a implementação do programa de mitigação dos efeitos da seca quer a nível nacional e do município micaelense, destacando ainda o apoio que se fez chegar ao país a nível internacional.

Donald Heflin, que reiterou que “todos vão sobreviver” a este mau ano agrícola, desabafou, contudo, que ainda está “preocupado” com os efeitos do mau ano agrícola e a sua repercussão nas famílias, tendo manifestado o interesse da Embaixada dos EUA em Cabo Verde em ajudar na diversificação da economia rural.

Para isso, o embaixador Donald Heflin apontou a pesca, agricultura e turismo como os sectores onde poderão vão ajudar e contribuir para a diversificação da economia no interior da ilha de Santiago.

Para o sector do turismo tomou como exemplo a iniciativa da comunidade dos Rabelados de Espinho Branco, prometendo ajuda-los a criar facilidades na promoção do turismo rural.

No concernente às obras no domínio do Projecto da Extensão e Melhoria do Sistema de Abastecimento de Água, financiado pelo governo norte-americano, no âmbito do projecto Millenium Challenge Account Cabo Verde II, considerou o mesmo “muito importante” visto que vai beneficiar 4000 pessoas pelo menos durante 30 anos.

A obra que vai estar concluída ainda no decurso deste mês, está orçado em 100 mil contos e beneficiará quatro povoações, com uma dessalinizadora com capacidade para produzir 200 metros cúbicos de água por dia.

Por seu turno, o presidente da Câmara Municipal de São Miguel, Herménio Fernandes afirmou que o município vai passar ainda este ano da seca, para um sistema de cultivo agrícola de “forma sustentável”, que passa também pela diversificação da economia local.

Conforme explicou o autarca, esta diversificação passa pela aposta nas potencialidades daquele município do interior da ilha de Santiago, ou seja, nos sectores da pesca, pecuária, agricultura e turismo rural, e ainda em investimentos noutras áreas, como a construção civil.

Segundo informou, a edilidade está a investir na requalificação urbana, espaços verdes para criar “mais atractividade”, para que se possa desenvolver o comércio e negócio, fazendo com que as pessoas possam trabalhar e produzir no concelho, em vez de o abandonar como tem acontecido, fazendo com que o concelho tenha perdido cerca de 2000 pessoas.

Em relação ao plano de emergência, informou que no âmbito programa de mitigação já foram criados 728 postos de trabalho.

Aproveitando a visita do embaixador americano, a autarquia fez a entrega de nove projectos que abarcam desde desenvolvimento de actividades económicas, no domínio da cultura, da educação e mobilização de água, projectos que, conforme indicou o edil, vão melhorar a qualidade de vida das populações.

FM/FP

Inforpress/Fim