Edilidade instala contentores subterrâneos como alternativa para solucionar o problema do lixo na Cidade da Praia

 

Cidade da Praia, 15 Fev (Inforpress) – A Câmara Municipal da Praia está a apostar nos contentores subterrâneos como forma de solucionar o problema de lixo na Cidade da Praia e,  ao mesmo tempo, melhorar a qualidade ambiental e a estética da capital do país.

Hoje,  foram instalados os primeiros dois contentores , a título de experimental, na avenida principal da zona de Palmarejo.

O vereador para a área do Ambiente, Paulo Velhinho, adianta que, desde o início deste mandato,  que a edilidade está a procurar formas de solucionar o problema do lixo na Cidade da Praia.

E para fazer face à lacuna deixada com a retirada dos carros de recolha porta-a-porta,  a autarquia voltou a colocar os contentores normais nas ruas.

“O problema é que as pessoas e os cães abandonados mexem nos contentores, espalhando o lixo pelo chão e estamos a tentar que isso não aconteça. Fizemos um abrigo não subterrâneo aqui em Palmarejo, também fizemos a requalificação de um abrigo que fica no Platô e agora estamos a apresentar a nossa terceira opção que é o abrigo subterrâneo”, explicou.

Esse sistema vai passar por uma experiência de três meses e caso se revele uma boa alternativa,  o mesmo vai ser implementado por todas as zonas da cidade, também como um elemento decorativo, adiantou o responsável.

O lixo vai ser diariamente recolhido, com suporte a uma viatura com grua e   contentores recolados.  Paulo Velhinho acredita que a população vai responder de forma positiva, já que,  segundo adiantou,  os outros abrigos têm funcionado “muito bem”.

No que se refere ao custo, o vereador adianta que esse trabalho está a ser feito com um parceiro nacional para uma experiência, pelo que,  salientou, neste momento os custos não estão estimados.

A escolha do Palmarejo para a realização dessa experiência deve-se ao facto de ser um bairro com muita demanda em relação ao lixo.

“Estamos a fazer a experiência precisamente numa zona em que há muito lixo,  porque entendemos que dessa forma vai ser mais fácil testar esse sistema”, disse.

MJB/JMV

Inforpress/fim