Inicio Sociedade Directora nacional de Saúde sublinha importância do reforço das capacidades para prevenir...

Directora nacional de Saúde sublinha importância do reforço das capacidades para prevenir urgências da saúde pública

 

Cidade da Praia, 29 Jun (Inforpress) – A directora nacional de Saúde, Maria da Luz, realçou hoje na Cidade da Praia, a importância do reforço das capacidades para prevenir e preparar as urgências da saúde pública em Cabo Verde.

Na sua intervenção no atelier de avaliação dos riscos em saúde pública, realizado em parceria com a Organização Mundial de Saúde (OMS), Maria da Luz disse que Cabo Verde como um país insular exposto e vulnerável a condições meteorológicas extremas e riscos de desastres, precisa de reforçar as suas capacidades para prevenir desse fenómeno.

Segundo Maria da Luz, o arquipélago está exposto as inundações, as secas, aos deslizamentos de terra, aos incêndios, a erosão costeira, aos tremores de terra e a erupção vulcânica.

“Esses fenómenos podem causar, de forma recorrente, a degradação rápida dos diferentes ecossistemas essenciais para o desenvolvimento humano sustentável e também são responsáveis por efeitos negativos em sectores básicos para vida humana como abastecimento de água e energia e na saúde a curto, medio, longo prazo”, salientou.

Além dos riscos naturais, Maria da Luz referiu também sobre as epidemias que têm assolado o país desafiando e testando o sistema nacional da saúde e a vigilância sanitária.

A directora nacional de Saúde sublinhou que o processo de avaliação dos riscos em saúde pública constitui uma “ferramenta fundamental” e de subsídios nos processos de decisão, do planeamento, do controlo, da prevenção da exposição da população e indivíduos aos agentes perigosos à saúde presentes no meio ambiente.

Sendo a gestão dos riscos em saúde pública um processo abrangente em termos de envolvência, defendeu que todos os actores devem estar envolvidos, nomeadamente o Serviço Nacional da Protecção Civil e Bombeiros, o Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica e outras estruturas do país.

“O sector da saúde precisa dotar-se de uma visão estratégica, definir os princípios orientadores e ter o enfoque integrado para redução dos riscos directamente relacionados com a saúde e que abrange a mitigação do risco, a prevenção, a preparação de respostas adequadas e céleres e a recuperação pós desastre como elementos essenciais no ciclo de gestão de riscos”, defendeu Maria da Luz.

Durante a sua intervenção, a directora nacional de Saúde informou os participantes que a “task-force” multissectorial já tem quase finalizado a estratégia nacional de redução de riscos de desastres que constitui “um documento chapéu” nesta matéria.

Para Maria da Luz as especificidades no sector da saúde em várias situações e eventos que constituem riscos para a saúde pública requer “uma avaliação cuidadosa”, tendo como pano de fundo a resiliência e a efectividade do sistema nacional de saúde.

“É fundamental o estabelecimento um sistema nacional de vigilância da saúde pública que passa, obrigatoriamente, por vários processos para a envolvência de todos os parceiros, sobretudo por uma comunicação de risco”, sublinhou.

O representante da OMS em Cabo Verde, Mariano Castellon, por sua vez, sublinhou a importância do ateliê e disse que pela característica morfológica de Cabo Verde colocam-se “desafios muitos importantes e sensíveis” no momento de responder a uma emergência de desastre natural ou sanitária.

A epidemia da dengue e a erupção vulcânica na ilha do Fogo são alguns dos exemplos citados pelo representante da OMS, que defendeu, igualmente, a necessidade de se reforçar as capacidades para prevenir e preparar as urgências da saúde pública.

Mariano Castellon congratulou-se com a realização deste ateliê, informando que a iniciativa está a ser promovida num momento em que o Conselho de Ministros, provavelmente, vai aprovar a estratégia nacional da redução de riscos de desastres em Cabo Verde.

JL/CP

Inforpress/Fim