Directora de Imigração destaca transversalidade nas políticas de integração para garantir inclusão dos imigrantes

Cidade da Praia, 20 Jun (Inforpress) – A directora-geral da Imigração, Carmem Furtado, defendeu hoje a importância da transversalidade do Plano de Integração de Imigrantes para “promover e garantir a inclusão dos imigrantes” em Cabo Verde.

Em declarações à Inforpress, à margem do Simpósio Nacional de Família e Inclusão Social sob o lema “A família no centro do desenvolvimento sustentável do país”, que decorre na cidade da Praia, Carmen Furtado afirmou que a preocupação da Direcção-geral da Imigração passa pela “transversalizaçao da abordagem” da inclusão dos imigrantes que, no seu entender, carrega consigo vários factores condicionantes, que serão ultrapassados com o plano de integração.

O plano de integração dos imigrantes, segundo a mesma fonte, contempla várias medidas, desde acesso aos serviços básicos, educação, saúde, habitação, mas também medidas de sensibilização e informação, visando a prevenção e o combate à descriminação.

Daí, apontou, a necessidade de trazer esses planos, clarificando o que é importante para melhorar o nível de inclusão social dos imigrantes e aproveitar a imigração, porque Cabo Verde “fez a sua história com a saída de pessoas”.

Segundo a responsável, há ainda “muitos aspectos que devem melhorados”, e apontou, entre eles, a “complexidade das populações imigrantes”, que conforme explicou têm projectos migratórios diversificados, como um dos maiores desafios a ser ultrapassado.

“Há vários desafios que encontramos isto dependendo das comunidades que colocam questões sobre a forma como é feito o acolhimento”, apontou, mas há aqueles, acrescentou, que colocam questões sobre a regularização e regulamentação dos documentos, do acesso a educação e o registo das crianças, por a imigração ser “transversal e heterogénea”.

Neste campo, acrescentou ainda que há “um esforço” do Ministério da Família e Inclusão Social em “melhorar a educação”, promover e reforçar as suas políticas de ensino, no sentido de garantir o acesso daqueles que tem baixo nível de escolaridade à alfabetização e à formação profissional.

O simpósio nacional visa debater as políticas e questões sociais que afectam as famílias cabo-verdianas e analisar o quadro de institucionalização e cooperação entre as entidades públicas, privadas, organismos nacionais e internacionais, para a operacionalização das políticas públicas do Governo voltadas para as famílias.

Paralelamente ao simpósio será realizada uma Feira Inclusiva aberta ao público, com o objectivo de informar sobre os programas e projectos que o Governo tem em curso no sector da família, nomeadamente nas áreas da educação, habitação e protecção social.

O evento decorre hoje e amanhã na Biblioteca Nacional.

CM/AA

Inforpress/Fim