Dionísio Miranda realizou hoje em Achada Fátima o seu sonho de um negócio próprio

Cidade da Praia, 21 Jan (Inforpress) – Dionísio Miranda é um jovem deficiente visual que viu realizado, hoje, o seu sonho de um negocio próprio com a inauguração da sua empresa de moagem “Sofia” após ter sido contemplado com um financiamento de 500 mil escudos.

O jovem que diz sempre ter corrido atrás de uma realização, asseverou à Inforpress que se sente concretizado, enquanto ser humano, com esta opção de abrir em Achada Fátima, município de Santa Cruz (Interior de Santiago) a moagem “Sofia”.

“Por isso, hoje, me sinto feliz com este acto que será o início da minha actividade no mercado de trabalho, enquanto dono do meu próprio negócio. O meu plano de negócio é bastante optimista e como foco tenho o compromisso de ter de pagar o empréstimo”, explicou.

Natural de Santo Antão e residente em Santa Cruz há mais de quatro anos, Dionísio Miranda que vê neste negócio o meio de sobrevivência para si e sua família, disse que quer “vencer e ter sucesso” para poder desenvolver outros negócios no futuro.

Na inauguração em que se fizeram presentes o presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz e o presidente da Associação de Deficientes Visuais de Cabo Verde, a mensagem foi de apoio e “muita força” para o mais novo empresário da associação ADEVIC.

Na ocasião, o presidente da ADEVIC, Marciano Monteiro, considerou ser uma mais-valia para a ADEVIC, pois, um dos grandes objectivos da associação é ter pessoas com deficiência visual incluídas na sociedade e no mercado de trabalho.

“Esta iniciativa vai dar um autoemprego, que por sua vez pode empregar uma ou duas pessoas, por isso apesar do simbolismo do evento, ela tem muito significado para nós deficientes visuais, pois, significa a entrada no mercado de trabalho de um de nós”, realça.

Trata-se, segundo o presidente da ADEVIC, da terceira moagem que a associação em parceria com o Fundo de Desemprego tem apoiado, com o propósito de empoderar pessoas com deficiência visual.

Marciano Monteiro asseverou, ainda, que a intenção da associação é negociar com o Fundo de Desemprego, projectos voltados para participação de jovens com deficiência visual na vertente formação profissional para que estes possam ter outras ideias de autoemprego.

PC/ZS

Inforpress/Fim