Diocese de Santiago implementa projecto “Sakuta Jovem” para escutar os anseios da juventude

Cidade da Praia, 22 Mai (Inforpress) – A evangelização dos jovens da Diocese de Santiago é o principal objectivo do projecto “Sakuta Jovem” (escutar os jovens), hoje apresentado na Cidade da Praia, que prevê a implementação de “exercícios ousados e inovadores”.

“Queremos escutar os jovens e ajudá-los a discernir perante os desafios e oportunidades com que se defrontam”, disse o coordenador do Secretariado Diocesano da Juventude, da Diocese de Santiago, Bernardino Gonçalves.

Bernardino Gonçalves destacou a realização de Assembleias de jovens, a criação de “grupos de foco” com jovens ligados à cultura, ao desporto e a diversos outros sectores, aos jovens dos meios urbanos e dos meios rurais, como alguns dos “exercícios ousados e inovadores”, que serão implementados para “ouvir os jovens” que costumam participar, os que nunca participaram e, ainda, aqueles que não participam com regularidade.

“Sakuta Jovem” é um projecto que “propõe uma cultura de escuta”, primeiro a todos os jovens cabo-verdianos, cristãos católicos ou não, à Igreja e à sociedade cabo-verdiana, para que se escutem os jovens, para que os jovens escutem a sua comunidade e a sociedade e para que jovens que escutem uns aos outros.

O cardeal D. Arlindo Furtado, bispo da Diocese de Santiago, citou o Papa São João Paulo II para reconhecer que “não há ninguém melhor que os jovens para evangelizar os próprios jovens” tendo em conta que “conhecem os problemas, conhecem a situação dessa etapa de vida, bem como as condições sociais e culturais em que os jovens vivem”.

Por isso, é entendimento do bispo de Santiago que, “um jovem que está na situação dos outros jovens, que conhece e se compromete Jesus Cristo, está em melhores condições de fazer passar a mensagem de Cristo junto dos jovens”.

Com a convocação do Sínodo dos Bispos “sobre a juventude e para a juventude”, este ano de 2018, “o Papa Francisco colocou a juventude no centro das preocupações e das actividades da Igreja” com a preocupação de “deixar os jovens falar, livremente, daquilo que precisam e anseiam a respeito da vivência da sua fé no mundo de hoje”.

O projecto “Sakuta Jovem” vai ser implementando na diocese de Santiago durante 12 meses, e espera-se, como resultados, o desenvolvimento de uma metodologia adaptada à escuta dos jovens nas suas realidades de hoje, estruturas diocesanas e paroquiais dotadas de ferramentas e competências humanas capazes de responder aos anseios da juventude, jovens mais conscientes da necessidade de se colocar à escuta, bem como uma comunidade diocesana conhecedora da realidade da sua juventude “que escuta e é escutada”.

HF/CP

Inforpress/Fim