Creche “Três mininus” quer promover inclusão de crianças com necessidades educativas especiais – responsável

Cidade da Praia, 12 Out (Inforpress) – A responsável da creche “Três mininus” disse hoje que pretende promover a inclusão das crianças com necessidades especiais educativas, com o projecto recém-criado, e ser “referência a nível nacional” na prestação de um serviço de “qualidade e excelência”.

Em declarações à Inforpress, Lívia Brito, formada em Psicomotricidade, explicou que o projecto surgiu após constatar no terreno que a existência de creches para crianças com necessidades especiais em Cabo Verde, no geral, e na cidade da Praia, em particular, constitui ainda uma “lacuna e desafio”.

Daí, conforme elucidou, em parceria com os irmãos formados em Assistência Social e Ciências de Educação, e com o apoio da mãe que trabalha há mais de 20 anos em creche, decidiram criar esse projecto, tendo como “bandeira principal” a inclusão social.

“O projecto ‘Três mininus’ surgiu através da minha mãe que há 20 anos trabalha numa creche em Portugal. Vivíamos fora de Cabo Verde e quando regressamos constatamos dos lugares que visitamos que não haviam creches adaptados para as crianças com necessidades especiais”, contou, lembrado que a creche “Três mininus”, situado no Palmarejo, tem capacidade para receber 45 crianças dos 02 meses aos 04 anos.

Motivado também pelo facto de confirmarem que muitos pais têm desistido de colocar os filhos com necessidades especiais nas creches, devido a “permanente exclusão” que as mesmas estão sujeitas, Lívia Brito disse que viram no projecto uma oportunidade de contribuírem para que crianças pequenas se desenvolvam, tanto no aspecto físico, como nos aspectos psicológico, intelectual e social.

“Estamos a dar os primeiros passos e queremos aprimorar transmitir confiança aos pais e encarregados de educação que sintam confiança no nosso trabalho” asseverou, defendendo que quanto mais cedo as crianças com necessidades conviverem com essa realidade, melhor será o seu entendimento e aceitação de todos sobre o assunto.

“Tres mininus” entrou em funcionamento no passado mês de Setembro e, conforme esta responsável, futuramente pretendem construir um espaço de raiz adaptado com todas as condições e alargar o projecto para outras ilhas do arquipélago.

Abordando as políticas de promoção da inclusão social em Cabo Verde, Lívia Brito salientou que as intenções no sentido de se promover a inclusão das crianças com necessidades especiais educativas “tem sido boas”, mas que é preciso “passar das intenções para os actos”, isto porque, ajuntou, “Cabo Verde ainda não despertou para o verdadeiro sentido” da inclusão social.

“Falamos de inclusão, mas não temos professores com formação na área, temos um caminho longo a percorrer para que a inclusão social seja assumida na totalidade, e caso não mudemos a nossa realidade futuramente será um grande problema a ser resolvido na sociedade porque criar-se-á uma bola de neve sobre a inclusão social”, concluiu.

CM/AA

Inforpress/Fim