Concurso de ideias: “Hackathon” vai pagar 10.500 dólares para vencedor do desafio

Cidade da Praia, 29 Jun (Inforpress) – O “Hackathon Angelhack Global Series 2018”, actividade de inovação tecnológica, que arrancou hoje na Cidade da Praia, vai pagar 10.500 dólares (pouco mais de mil contos) à ideia vencedora, informou hoje a organização.

O objectivo do Hackathon (Maratona de Inovação) é reunir mais de 60 competidores (profissionais e entusiastas de programação, design e marketing ou negócios) para que durante um período de mais de 30 horas seguidas “sem parar, sem dormir” se desenvolvam, em grupo, soluções para problemas do país materializadas em produtos de impacto global.

A iniciativa, segunda do género organizada em Cabo Verde, pelo Centro Internacional de Teoterapia Integral (CENTI Cabo Verde) em parceria com o Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) e outros parceiros, arrancou na manhã de hoje e termina na tarde de sábado.

Os três projectos seleccionados como mais viáveis têm prémios. O primeiro lugar receberá 10.500 dólares (1.000.860 escudos), o segundo recebe 5.000 dólares (476.602 escudos) e o terceiro, 2.500 dólares (238.301 escudos). Além disso, avançou a organização, haverá outros prémios específicos.

Ayrton Gomes da organização, disse que se pretende com este evento consciencializar os jovens de que são capazes de resolver os problemas globais. “Temos que por mão na massa para resolvermos os nossos problemas, desde energia, agricultura, passando pelos transportes e todas as outras temáticas”, completou.

Depois do Hackathon, prosseguiu a mesma fonte, haverá uma fase de acompanhamento de todas as ideias desenvolvidas e de todos os jovens que quiserem transformar os seus projectos em empresas.

“Os 60 jovens que estão a participar são estudantes universitários e pessoas da comunidade em geral. O Hackathon é um evento sem restrições. O grau académico é muito pouco relevante aqui. O que importa é termos aqui pessoas com atitude e que põem mão na massa para fazer coisas interessantes para o país”, ajuntou.

Um dos participantes, o estudante do segundo ano de Engenharia de Sistemas Informática, Ailson Moreira, classificou o “Hackathon Angelhack Global Series 2018” como um evento um “super fixe”. “Vai nos abrir a mente e depois acabamos por sair daqui com muita experiência que irá nos servir no futuro a nível profissional. É muito vantajoso”, disse.

Ailson Moreira disse ainda anão ter um projecto exacto do que irá fazer juntamente com o seu grupo, mas deseja trabalhar em algo que “tem mais a ver com a saúde e sustentabilidade ambiental”.

Outra participante, Joquebede Soares, afirmou estar a pensar em alguma ideia verde, natural para a sua área que é a estética. “Na cosmética há muita coisa artificial que danifica a natureza. Então quero que desenvolvamos algum projecto a este nível”, continuou a jovem, completando que está “um pouco nervosa”, mas esperançosa que tudo irá correr bem.

Hackathon é um evento que reúne pessoas empreendedoras, apaixonadas por tecnologia e sustentabilidade para uma maratona de programação, prototipagem e colaboração.

O período de duração pode variar entre um dia até uma semana e, muitas vezes, além da experiência de troca de ideias e ‘networking’, os participantes podem também concorrer a prémios e terem seus projectos desenvolvidos.

GSF/CP

Inforpress/Fim