Comunicação Social estatal sem previsão de investimentos para 2019 – ministro Abraão Vicente (c/áudio)

Cidade da Praia, 05 Dez (Inforpress) – O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, disse hoje, na cidade da Praia, que não estão previstos “recursos específicos”no Orçamento do Estado para 2019 para investir na Comunicação Social.

O governante fez estas declarações após ser recebido, na Assembleia Nacional, pela Comissão Especializada de Educação, Cultura, Saúde, Juventude, Desporto e Questões Sociais e pela Comissão Especializada de Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos, Segurança e Reforma do Estado, para a discussão da proposta de lei que regula a constituição, organização, funcionamento e atribuição das entidades de gestão colectiva do direito de autor e dos direitos conexos.

“Não estão previstos no Orçamento do Estado para 2019 recursos específicos para investir na Comunicação Social”, disse aquele governante, completando que se manteve os 15 mil contos para o apoio a imprensa escrita privada.

Falando dos órgãos públicos, Abraão Vicente referiu que a Agência Cabo-verdiana de Notícias (Inforpress) encontra-se num processo de reestruturação e que, relativamente à Radiotelevisão Cabo-verdiana (RTC), disse esperar que o fundo comum preveja as “verbas para a continuidade da reformação”, e que, para 2019, “não estão previstos novos investimentos na RTC”.

“Porque estamos num processo de reestruturação, a RTC vai perder cerca de 24% daquilo que são os seus custos de funcionamento, através da transição para a Era Digital”, fundamentou o ministro, que anunciou um encontro para quinta-feira, 06, em que será apresentado um plano estratégico para a RTC, que já está concluído.

“Tomaremos novas decisões a partir daí e creio que o Governo tem fundos necessários no Orçamento do Estado que poderão ser canalizados para esse processo de redesenho da TCV e da RCV”, completou o ministro.

Conforme Abraão Vicente, a RTC terá que focar na produção de conteúdos, dado que não terá de gerir toda a parte de transmissão, que passará a ser de responsabilidade da empresa Cabo Verde Broadcast que, segundo disse, vai absorver parte dos técnicos da RTC.

“Iremos fazer o processo necessário de reciclagem dos efectivos, dos jornalistas, como dos técnicos, redesenhar o canal para ter mais conteúdo, servir a diáspora, estar a serviço da sociedade cabo-verdiana e corresponder às expectativas que são muito elevadas”, informou, Abraão Vicente, para quem tal vai implicar “uma mudança radical” àquilo que deve ser a nova grelha de conteúdos da RTC.

Por isso, o ministro Abraão Vicente concorda que o primeiro semestre do próximo ano será de “profundas alterações” naquilo que é a actual RTC.

 

GSF/AA

Inforpress/Fim