Comité do Senado deixa passar candidato de Trump ao Supremo em votação preliminar

Washington, 28 Set (Inforpress) – O candidato ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos, o juiz conservador Brett Kavanaugh, foi hoje aprovado pelo Comité Judicial do Senado numa votação preliminar e de recomendação, cabendo agora à câmara alta do Congresso norte-americano confirmar o nome do magistrado.

Esta votação, que estava inicialmente prevista para às 13:30 hora local (18:30 em Lisboa) mas que acabou por ser realizada com vários minutos de atraso, está envolta em forte polémica, uma vez que Brett Kavanaugh, um juiz conservador de 53 anos que foi apontado em Julho passado pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, para ocupar um lugar na mais alta instância judicial norte-americana, está a ser acusado de má conduta sexual por, pelo menos, quatro mulheres.

Os 11 membros republicanos que compõem o comité votaram a favor da recomendação da confirmação de Kavanaugh no Senado. Os restantes elementos do comité, 10 democratas, opuseram-se à recomendação.

Um senador republicano, Jeff Flake, pediu, no entanto, que a votação final no Senado seja adiada cerca de uma semana, para permitir a abertura de um inquérito policial sobre as acusações que recaem sobre o juiz Kavanaugh.

Apesar de o comité ter concordado com esta condição do senador republicano, não é claro, até ao momento, se os líderes republicanos no Congresso, ou até mesmo Donald Trump, irão apoiar o pedido de Jeff Flake para a abertura de uma investigação por parte da polícia federal norte-americana (FBI) ou se irão pressionar e avançar para a realização da votação final no Senado.

Jeff Flake foi o mesmo senador que hoje foi interpelado no Senado por activistas.

Num momento raríssimo no Senado norte-americano, segundo classificaram e relataram vários ‘media’, mulheres visivelmente exaltadas interpelaram o senador Jeff Flake num elevador e tentaram impedir o representante republicano de chegar à reunião do Comité Judicial.

“Estamos a falar sobre o futuro do nosso país, senhor”, gritou uma delas, segundo os ‘media’ internacionais.

O incidente aconteceu momentos antes do anúncio da hora da votação de hoje e depois do senador republicano ter manifestado o seu apoio ao juiz Kavanaugh.

Após a recomendação do Comité Judicial do Senado, cabe à câmara alta do Congresso dos Estados Unidos votar, em sessão plenária, a confirmação do magistrado.

Actualmente, os republicanos detêm uma estreita maioria no Senado, 51 lugares contra os 49 dos democratas.

Momentos depois da votação no comité, Trump afirmou que os legisladores republicanos que estão hesitantes “têm de fazer o que acham que está certo”.

A primeira mulher que acusou publicamente Brett Kavanaugh de abusos sexuais, Christine Blasey Ford, testemunhou na quinta-feira diante do Comité Judicial, numa audiência particularmente intensa e emotiva e que foi amplamente mediatizada.

Ford acusa Kavanaugh de tentar violá-la durante uma festa em 1982, quando ambos frequentavam o ensino secundário. Na audição, a agora professora universitária de 51 anos garantiu que não existe qualquer engano sobre a identidade do agressor, sublinhando que decidiu testemunhar porque acreditava que tinha esse “dever cívico”.

O comité também ouviu na quinta-feira o testemunho de Kavanaugh, que rejeitou as acusações e clamou inocência.

O Senado, segundo a Constituição norte-americana, é o órgão responsável pela confirmação dos elementos que compõem o Supremo Tribunal, a mais alta instância judicial norte-americana que desempenha um papel fundamental no debate dos temas mais importantes da sociedade dos Estados Unidos, como o direito ao aborto, o casamento de pessoas do mesmo sexo ou a regulamentação das armas de fogo.

Lusa/Fim