Coalizão Cabo-verdiana dos Direitos da Criança elege protecção da primeira infância como prioridade

 

Cidade da Praia, 07 Nov (Inforpress) – A protecção da criança é apontada pelo primeiro presidente da Coalizão Cabo-verdiana dos Direitos da Criança (CCDC), hoje eleito na Cidade da Praia, como prioridade, sem esquecer a educação e a saúde dos mais novos.

José Lopes, da Associação Novos Amigos de Mindelo, foi eleito para um mandato de três anos, durante a assembleia constitutiva dos corpos sociais da referida coalização , que conta com a participação de 32 associações comunitárias de todas as ilhas do país e que foi promovida pela Associação Crianças Desfavorecidas (ACRIDES).

Em declarações à imprensa , depois da tomada de posse, o presidente explicou que há 14 meses que estão a trabalhar na montagem da Coalizão Cabo-verdiana dos Direitos da Criança, que culminou com dois dias de trabalho, 06 e 07 de Novembro, lembrando que vai ser mais uma voz em prol da defesa dos direitos das crianças.

“Já delineamos as ideias prioritárias que irão ser traduzidas em plano estratégico, tendo a protecção das crianças no centro das atenções, o trabalho com as famílias e a inclusão social das crianças”, afirmou, acrescentando que, por causa do mau ano agrícola, que fez com que muitas famílias passem dificuldades, a coalizão vai trabalhar com as mesmas num projecto de segurança alimentas das crianças.

Educação, saúde e capacitação das crianças, para que possam “ter vez e voz” foi também destacada pelo presidente eleito da CCDC que elegeu, ainda, os membros da Mesa da Assembleia-Geral que tem como presidente Maria da Cruz, e do Conselho Fiscal que escolheu Arcângela Moreira como presidente.

José Lopes está ciente de que a coalizão vai ter que trabalhar em parceria com as instituições do Governo vocacionadas para a criança e para a implementação das políticas, sendo certo que neste momento já contam com o apoio da Comissão Nacional dos Direitos Humanos e Cidadania (CNDHC), a embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) em Cabo Verde e a Save the Children Internacional, que irão garantir o funcionamento da organização.

Por sua vez, a presidente da ACRIDES, Lourença Tavares, explicou que a criação da coalizão é uma forma de reforçar a sociedade civil a fazer o seu papel enquanto responsável e líder comunitário na promoção dos direitos da criança.

“Os direitos das crianças não devem ser confiados a uma única instituição, mas todas somos chamados, cada uma com a sua responsabilidade e o seu saber fazer, ser o fiscalizador e fazer propostas para a melhoria da protecção das crianças”, declarou, considerando que estando em coalizão é a única forma de falar em uma só voz.

Para esta quarta-feira, 08, está marcado um atelier de capacitação de três dias em matéria de advocacia aos membros da Coalizão Cabo-verdiana dos Direitos da Criança, promovido, também, pela Save the Children Internacional.

DR/JMV

Inforpress/Fim