Cimeira CPLP: República Checa trabalha para Cabo Verde marcar presença na Feira de Turismo de Praga

Santa Maria, Ilha do Sal, 18 Jul (Inforpress) – O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da República Checa, Ivan Jancarek, disse hoje à Inforpress, na ilha do Sal, que existe “forte possibilidade” de Cabo Verde participar, no mês de Fevereiro, na Feira de Turismo de Praga.

Ivan Jancarek veio à ilha do Sal representar o seu país, na qualidade de observador associado, na XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, concluída hoje na ilha do Sal.

O turismo de checos em direcção a Cabo Verde, segundo a mesma fonte, “aumenta a cada dia” e actualmente há o registo de pelo menos quatro voos charter semanais, sobretudo para as ilhas do Sal e da Boa Vista.

“Os checos gostam de Cabo Verde, alguns inclusive já adquiriram casa e outros tencionam abrir negócios como bares e restaurantes”, concretizou o governante checo, que admitiu que nível do turismo da República Checa em Cabo Verde pode aumentar ainda mais se a parte cabo-verdiana apostar num “bom marketing”, a começar pela presença na feira de Praga.

Por outro lado, na cooperação em matéria de ensino superior entre os dois países, em que a República Checa recebe “algumas dezenas” de estudantes cabo-verdianos, o ministro considerou haver “muitas possibilidades” de o seu país intensificar a cooperação com Cabo Verde, não só a nível do Governo, como também directamente entre as universidades dos dois países.

Até porque, frisou, existe o programa da União Europeia denominado You-Mobility, que pode ser aproveitado desde que haja interesse por parte das universidades.

“Dinheiro há, o que é necessário não é apenas atribuir as bolsas em si, mas criar o interesse para uma cooperação mais forte e intensa do que existe hoje”, notou o ministro checo.

Sobre a Cimeira da CPLP, Ivan Jancarek disse à Inforpress que as expectativas que trouxe para o evento foram satisfeitas, pois o encontro foi “muito interessante e útil” para a República Checa, na qualidade de país observador associado da CPLP.

“A República Checa tem uma visão de cooperação com os País de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) e penso que com Cabo Verde na presidência vem aí uma nova visão, que hoje se confirmou”, ajuntou.

Para o representante da República Checa, a Cimeira confirmou o português como língua sendo certo, admitiu, os países membros da CPLP têm “muito interesse” em desempenhar um papel “muito importante” no Mundo.

Outro aspecto que o diplomata classificou de importante foi a aprovação de um leque diversificado de países que entraram agora como observadores da CPLP, o que significa, reiterou, um “grande interesse” para a Comunidade.

No segundo dia da XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), na ilha do Sal, foi aprovada a concessão da categoria de observadores associados da CPLP aos países Chile, Sérvia, Argentina, Itália, Andorra, França e Grão-Ducado do Luxemburgo e a organização dos Estados Ibéro-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura, na categoria de assessor associado da CPLP.

O encerramento da XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa ocorre esta tarde, no hotel Hilton, em Santa Maria, antecedida da divulgação da Declaração de Santa Maria.

A CPLP foi criada a 17 e Julho de 1996, em Lisboa, por sete Estados: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe. Em 2002, com a independência, Timor-Leste tornou-se oitavo Estado-membro. Em 2014, a Guiné-Equatorial foi admitida como membro da organização, durante a Cimeira realizada na capital timorense, Díli.

A organização definiu como objectivos gerais a concertação político-diplomática entre os seus Estados-membros, nomeadamente para o reforço da sua presença no cenário internacional, tendo também como um dos seus objectivos a promoção e difusão da língua portuguesa.

A área do globo terrestre ocupada pelos nove Estados-membros da CPLP corresponde a 10.742 000 quilómetros quadrados de terras, o correspondente a 7,2 por cento (%) da terra do planeta (148.939 063 quilómetros quadrados), espalhados por quatro continentes: Europa, América, África e Ásia.

AA/FP

Inforpress/Fim