Cimeira CPLP/Portugal: Com um passado predominantemente agrícola actualmente a estrutura da economia baseia-se nos serviços e na indústria

Espargos, 11 Jul. (Inforpress) – A economia de Portugal, membro participante na Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a realizar-se de 17 a 18, no Sal, baseia-se, actualmente, nos serviços e na indústria.

Portugal tem 92.212 quilómetros quadrados, para um universo de 10.213.038 de população actual, sendo 4.948.558 população masculina (48.5%), contra 5.264.480 população feminina, o equivalente a 51.5 por cento (%).

Lisboa é a capital do país, porém, Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Funchal (Madeira), Ponta Delgada (Açores), Porto, Setúbal são outras cidades consideradas importantes do território português.

Com um passado predominantemente agrícola, actualmente, e devido a todo o desenvolvimento que o país registou, a estrutura da economia baseia-se nos serviços e na indústria, que representam 67,8% e 28,2% do VAB.

A produção agrícola representa apenas 4% do PIB. A principal cultura é a uva, situando o país entre os dez primeiros produtores mundiais de vinhos de qualidade.

Batata, beterraba açucareira, arroz, legumes, hortaliças e frutas também são “importantes” produtos.

A abundância de sobreiros, especialmente a Sul do rio Tejo, faz de Portugal o maior produtor mundial de cortiça (cerca de metade da produção da cortiça mundial).

Na pecuária, destaca-se a produção de ovinos e, na pesca, a da sardinha. Embora o solo seja rico em muitos minerais, como pirite, tungsténio, estanho, ferro, carvão, urânio, volfrâmio, manganésio, sal, ouro, prata e cobre, mármore, a sua exploração comercial ainda é reduzida, por se encontrarem dispersos geograficamente.

Ainda, segundo dados estatísticos, o sector industrial responde por 28% do PIB. As principais actividades concentram-se nos sectores têxtil, siderúrgico, metalúrgico, automobilístico e químico. Também têm importância as indústrias alimentares (conservas de peixe, vinho, cerveja e azeite), de calçados e de cerâmica.

O sector de serviços – destaque para o turismo – responde por 68% do PIB e por 60% dos empregos.

Conforme a mesma fonte, o comércio exterior é deficitário, pois as importações, nomeadamente petróleo, gás natural e alimentos, entre outros, são maiores do que as exportações.

Com vista a tornar-se mais auto-suficiente em produção energética, Portugal aposta nas novas energias e vai implementar, no norte do país, o primeiro parque mundial de aproveitamento da energia das ondas.

Este ano, a XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, cimeira que marca o arranque da presidência cabo-verdiana da organização, vai ter lugar na ilha do Sal, nos dias 17 e 18 do corrente mês, sob o lema “Cultura, pessoas e oceanos”.

A cultura é uma das temáticas do país, que vai apresentar uma proposta de criação de um mercado comum cultural e de realização de iniciativas culturais, como bienais ou prémios de artes.

É a segunda vez que Cabo Verde acolhe a reunião de Chefes de Estado da CPLP.

O evento tinha sido realizado na cidade da Praia entre os dias 16 e 17 de Julho de 1998, uma cimeira da organização que juntou os Chefes de Estado e de Governo de Angola, Brasil, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, tendo elegido na ocasião, António Mascarenhas Monteiro, Presidente de Cabo Verde, a presidente da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP.

Este ano, a realização da Conferência de Chefes de Estado e de Governo coincide com o aniversário da CPLP, que a 17 de Julho completa 22 anos de existência.

A CPLP foi criada a 17 de Julho de 1996, em Lisboa, por sete Estados: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

SC/ZS

Inforpress/Fim