Inicio Cooperação CERMI traz estudantes do Sal, Boa Vista e Maio para estudar na...

CERMI traz estudantes do Sal, Boa Vista e Maio para estudar na Praia (c/áudio)

Cidade da Praia, 06 Set (Inforpress) – O Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) já disponibilizou oito novas ofertas formativas e vai trazer estudantes das ilhas da Boa Vista, Maio e Sal para frequentar formações na cidade da Praia.

Em entrevista à Inforpress, o coordenador da Unidade de Formação e de projectos do CERMI, Edson Mendes, afirmou que esses cursos foram disponibilizados depois de um estudo das necessidades do mercado feito com o apoio da Cooperação Luxemburguesa e que possibilitou o aumento das ofertas formativas.

“As nossas ofertas são para todo o Cabo Verde e estamos a fazer o possível para alargar a nossa área de actuação, portanto para ir a outras ilhas. Não podemos deslocar a infra-estrutura, mas temos vários parceiros”, explicou Edson Mendes, realçando que, apesar dos cursos decorrem na Cidade da Praia, o CERMI está a mobilizar parceiros para trazer estudantes de outras ilhas para a capital.

Aliás, neste momento, prosseguiu, o Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial tem um projecto, financiado pelo Fundo do Turismo, para trazer estudantes das ilhas do Sal, Boa Vista e Maio, para frequentar cursos que estão directamente ligados ao sector turístico.

“Trata-se de um financiamento do Fundo do Turismo, porque estamos a falar de cursos como manutenção industrial e energias renováveis, que estão ligados à sustentabilidade do sector, daí o apoio do fundo. Esses estudantes vão ter direito a propina e alojamento. Já temos também estudantes de outras ilhas, nomeadamente do Fogo e de São Nicolau”, indicou.

Edson Mendes garantiu que as bolsas serão atribuídas aos estudantes sob determinados critérios, esclarecendo, no entanto, que as propinas estabelecidas pelo CERMI são acessíveis, pois numa formação de nível IV, que dura 14 meses, um estudante paga oito mil escudos, enquanto numa formação de nível V, com o mesmo tempo de duração, teria que desembolsar apenas 10 mil escudos.

Por outro lado, afirmou que os valores pagos pelos alunos estão muito abaixo dos custos reais da formação, tendo em conta que o CERMI tem “infra-estruturas e características específicas” que são dos “mais desenvolvidos de Cabo Verde e mais desenvolvidos do que outras regiões.”

A perspectiva do CERMI é ter no próximo ano lectivo cerca de 200 alunos para formação inicial, para além das formações contínuas direccionadas a empresas e profissionais que já estão no mercado de trabalho.

Para além disso, adiantou o responsável, a instituição pretende sensibilizar as empresas para usarem as suas oficinas como forma de maximizar esses recursos.

O centro está ainda a preparar propostas na área de incubação com potenciais financiadores, entre os quais a Pró-Empresa, para apoiar os jovens que já concluíram os cursos na respectiva inserção no mercado de trabalho.

“Temos o exemplo de um estudante que terminou o curso de Frio e Climatização, abriu o seu próprio negócio e neste momento está a colaborar connosco, ajudando os formadores nas aulas práticas”, concretizou Edson Mendes.

CD/JMV

Inforpress/Fim