Casos de paludismo tendem a diminuir na Cidade da Praia

 

Cidade da Praia, 06 Out (Inforpress) – O número de casos de paludismo tem registado uma redução significativa, na Cidade da Praia, com um a dois casos diários, revelou hoje o ministro da Saúde e Segurança Social, Arlindo do Rosário.

“As coisas estão evoluindo bem em termos das medidas que preconizamos para fazer esta luta. Agora, precisamos acelerar um pouco mais. É uma visita acompanhada do ministro da Agricultura e do Ambiente, do presidente da câmara e de outras entidades porque é uma luta partilhada, sendo certo que a liderança desta luta é do Ministério da Saúde”, disse o ministro.

O governante falava à imprensa após uma visita efectuada a alguns bairros da capital com o objectivo de constatar, “in loco”, os avanços das intervenções efetuadas e a evolução em relação à última visita realizada há cerca de 15 dias.

“A situação é que nestas últimas semanas temos registado uma diminuição significativa do número de casos. Estávamos com 13 a 14 casos diários, neste momento um ou dois casos diários, precisou o ministro.

Arlindo do Rosário sublinhou, entretanto, que nesta luta não estão a focar apenas no número de casos. “Esta luta não é para dizer quantos casos temos (…). Enquanto houver casos temos que trabalhar com força para tentar eliminá-los, há um processo para eliminação do paludismo até 2020 e o Governo está fortemente empenhado em fazer isto”, asseverou.

Ainda de acordo com o governante, para além do trabalho no terreno que está sendo realizado, estão a trabalhar no sentido de reforçar a questão da pulverização intra-domiciliar e outras medidas neste sentido, incluindo acções de forma mais estrutural e persistente ao longo de todo o tempo e não apenas sazonais.

“É esse o trabalho que estamos a fazer com os outros departamentos ministeriais e com o apoio da OMS. Temos um apoio excelente da OMS, temos aqui em Cabo Verde uma equipa de consultadores, de experts da OMS que está a trabalhar com a comissão criada para acompanhamento da epidemia”, referiu, apelando ao engajamento “forte” da população nesta luta.

Até porque, pese embora estejam “razoavelmente satisfeitos” com a diminuição dos casos, garante, não vão baixar a guarda, já que o maior pico de casos acontece em Outubro/Novembro, daí que, entende o governante, as medidas devem ser reforçadas.

Inforpress/Fim