Caso adiamento jogo do CAN2019: FCF critica duramente a CAF e ameaça jogar domingo sob protesto

 

Cidade da Praia, 10 Jun (Inforpress) –  A Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) criticou duramente a Confederação Africana de Futebol (CAF), por ter adiado hoje, para mais 24 horas, o jogo Cabo Verde X Uganda, praticamente sobre hora, e promete jogar no domingo sob protesto.

Esta informação foi avançada à imprensa pelo director da FCF, Carlos Cruz, para quem o órgão máximo que rege o futebol em Africa está a fugir às suas responsabilidades, alegando que já se previa o atraso na chegada da equipa adversária ao país.

Reclama que que só por volta das 14:30 a FCF recebeu uma nota da CAF adiando o jogo em 24 horas.

De acordo com o director da FCF, em condições normais o árbitro tinha que intervir e marcar “cover”, sublinhando que o facto só não aconteceu porque a CAF interveio antes de a equipa de arbitragem, na sequência de um apelo por parte dos dirigentes da federação do Uganda para o cancelamento do jogo.”

“A FCF vai reclamar e contestar em busca dos seus direitos”, indicou o porta-voz da FCF, salientando que, independentemente dos transtornos que isto causa, em termos psicológicos, económicos e de logística, a selecção vai encarar a partida com “muita tenacidade” para vencer o jogo.

Disse que a selecção nacional quer dar sequência às vitórias, após vencer o Luxemburgo por 2-0 num jogo de carater amistoso.

Outra situação caótica apontada por este dirigente, tem a ver com a coincidência com o campeonato nacional que está a decorrer neste momento, onde foram agendados todos jogos para domingo.

Com esta contrariedade, os jogos do Nacional de Futebol vão ter de ser realizados paralelamente com os da selecção nacional devido ao adiamento do compromisso dos” Tubarões Azuis”, nome por que é conhecida a selecção de Cabo Verde.

O jogo Cabo Verde-Uganda, referente à primeira jornada do grupo L, a contar para qualificação ao Campeonato Africano das Nações, foi adiado devido ao atraso na chegada da selecção do Uganda a Cabo Verde.

EA/SR/FP

Inforpress/Fim