Câmaras de Comércio de Sotavento e Barlavento capacitam empresas com certificação internacional de qualidade

Cidade da Praia, 10 Mai. (Inforpress) – As câmaras de comércio de Sotavento e de Barlavento mobilizaram um financiamento de 160 mil euros (aproximadamente 17 mil contos) junto do Banco Mundial para iniciar um projecto que visa capacitar as empresas cabo-verdianas para a certificação de qualidade.

O programa, com a duração de nove meses, arrancou esta manhã, na Cidade da Praia, onde a Câmara de Comércio de Sotavento (CCS), segundo o seu secretário-geral, José Luís Neves, inicia uma acção de formação a seis empresas nacionais da região de Sotavento, no sector do turismo, com vista a dotar-lhes desta certificação internacional de qualidade.

“Uma empresa certificada a nível internacional com selo de qualidade significa que está mais competitiva, tanto para competir a nível do mercado interno, que é cada vez mais exigente, como também para ser um potencial fornecedor das grandes cadeias turísticas que, neste momento, estão em Cabo Verde”, explicou Neves.

A Câmara de Comércio, de acordo com a fonte, pretende contribuir para a solução do problema estrutural do acesso ao mercado turístico (cadeias hoteleiras, viagens aéreas e marítimas, Catering, Atlantic Ship Chandler), com o apoio a um grupo de empresas/fornecedores de bens e serviços na implementação e certificação de Sistemas de Gestão (SG), de acordo com referenciais normativos internacionalmente reconhecidos.

Pretende, igualmente a CCS, investir ao mesmo tempo na criação de uma rede de consultores/auditores que poderá assegurar assistência técnica às empresas que actuam nessa área.

Considerando o sector do turismo como um mercado “extremamente exigente”, sobretudo nos níveis do fornecimento, José Luís Neves avançou à imprensa que estas empresas vão ser beneficiadas com um intenso programa de formação em sala, sendo que posteriormente os consultores estarão no terreno a trabalhar directamente com as empresas para esta certificação.

O programa passa, igualmente, pela formação dos colaboradores das empresas para serem auditores internos, de forma a gerir o sistema de gestão de qualidade de empresas.

De acordo com o secretário-geral da CCS, José Luís Neves, pretende-se com esta iniciativa preparar as empresas cabo-verdianas para atingir um dos seus maiores desafios que passa em ter a capacidade de inovação e de produzir com qualidade, “nesta pequena economia, cada vez mais aberta”.

Isto por entender que as empresas nacionais estão “fortemente expostas” à concorrência e à competição das empresas globais, pelo que as duas câmaras de comércios estão apostadas na criação de um projecto virado para a criação de uma entidade certificadora privada em Cabo Verde.

Em representação das empresas beneficiadas com esta formação, Marcela Rodrigues, da agência de viagens PraiaTur disse que esta certificação sempre esteve nos seus planos porque, estando certificado no ISSO, a empresa será reconhecida por esta vantagem, tendo assegurado que os operadores internacionais preferem trabalhar com as empresas certificadas com o selo de qualidade.

Uma acção idêntica, anunciou José Luís Neves, será desenvolvida a outras seis empresas alocadas na região de Barlavento.

SR/ZS

Inforpress/Fim