Cabo Verde recebe equipamentos da OMS para dar combate as doenças transmitidas pela família das arboviroses

Cidade da Praia, 25 Jul (Inforpress) – O Ministério da Saúde recebeu hoje da OMS um donativo constituído por 216 equipamentos, nomeadamente viaturas, bombas de pulverização, motorizadas e ventilador neonatal/pediátrico, num valor total de um milhão de dólares (cerca de 90 mil contos).

Em declarações à imprensa no acto de entrega dos equipamentos, no âmbito do projecto de combate de Zika BAD/Cabo Verde, o ministro da Saúde e da Segurança Social, Arlindo do Rosário, manifestou o seu regozijo com este gesto que irá permitir maior e melhor segurança a nível da luta anti-vectorial.

“Estes equipamentos constituem num grande contributo, em termos de logística, no reforço da luta anti-vectorial. É uma luta abrangente em que o Governo investiu em 2017, cerca de 103 mil contos, visando a eliminação do mosquito vector das doenças arboviroses”, salientou.

O investimento, financiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) no montante de um milhão de dólares (cerca de 90 mil contos), conforme o ministro, vai servir para apoiar as várias vertentes deste combate, que têm a ver com equipamentos, formação e reforço laboratorial.

E, como a meta do arquipélago é a eliminação do paludismo em 2020, Arlindo do Rosário admitiu que com estes apoios o país está seguindo um “bom rumo” para cumprir com os objectivos traçados.

O governante reconheceu também que o país é “vulnerável” e que as doenças podem entrar sem problemas, mas solicitou apoio de todos para dar combate a eliminação do mosquito vector.

Para o representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Cabo Verde, Mariano Salazar Castelon, o projecto vem fornecendo ao arquipélago importantes contribuições para multiplicar formações, educação sanitária e promoção da saúde, comunicação e risco para profissionais do sector e jornalistas, entre outros.

“Este projecto apoia a visão multissectorial para que se possa lançar um “status” da saúde da população cabo-verdiana, com ênfase na luta anti-vectorial e, especificamente, na prevenção das doenças transmitidas pela família das arboviroses que inclui os vírus da zika, dengue, febre amarela e outros”, afirmou.

Mariano Salazar Castelon, que lembrou que Cabo Verde já faz parte da lista dos países que reúnem condições para eliminar a malária num futuro próximo e também está a trabalhar para erradicar com a transmissão vertical do vírus VIH, é de opinião que o arquipélago está seguindo um “bom caminho” no sector da saúde.

Os equipamentos entregues ao Ministério da Saúde vão ser distribuídos para as estruturas sanitárias do país, com o objectivo de reforçar a capacidade de respostas à infecção provocada pelo vírus da Zika e outras doenças provocadas por mosquito.

A primeira fase da entrega dos equipamentos ao Ministério da Saúde aconteceu em Março de 2018 com um donativo constituído por 10 motorizadas.

Cabo Verde, segundo as autoridades sanitárias, desde Janeiro a esta parte, não registou nenhum caso de paludismo autóctone.

Já a epidemia de zika aconteceu nos finais de 2015 e meados de 2016, tendo sido registados mais de 7.500 casos suspeitos e 15 casos de microcefalia em bebés associados à infecção pelo vírus zika que são acompanhados por uma equipa multi-disciplinar.

PC/CP

Inforpress/Fim