Brexit: Macron e May reúnem-se hoje para debater saída do Reino Unido da UE

Paris, 03 Ago (Inforpress) – O Presidente francês, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra britânica, Theresa May, reúnem-se hoje para debater o ‘Brexit’, quando se aproximam prazos cruciais para definir as condições de saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Macron receberá May ao fim da tarde no forte de Brégançon, a residência de verão dos Presidentes, situada em Bormes-les-Mimosas, no sudeste de França, onde inicia hoje as suas férias.

Os dois dirigentes manterão, a partir das 18:15 locais (17:15 em Lisboa), uma reunião de trabalho de cerca de duas horas, após a qual se juntarão a Brigitte Macron e Philip May para um jantar a quatro na propriedade sobre o mar Mediterrâneo, segundo o Palácio do Eliseu.

Na reunião, Macron vai ouvir May, regressada de férias em Itália, “explicar a posição de Londres nas negociações sobre o ‘Brexit’ e sobre o futuro das relações com a UE”, precisou o Eliseu.

Não haverá qualquer anúncio no final do encontro, porque “não cabe a Paris substituir-se ao processo de negociações liderado por Michel Barnier”, encarregado pela União Europeia de discutir com Londres, sublinhou a Presidência francesa.

Estas negociações estão há vários meses num impasse, mas Londres e Bruxelas terão que chegar até meados de Outubro a um acordo sobre as condições do divórcio, agendado para o fim de Março de 2019.

“Nós já estamos de acordo quanto a 80% do acordo de saída”, sublinhou Michel Barnier num artigo hoje publicado no jornal Le Figaro.

“Mas temos ainda que chegar a acordo sobre pontos importantes”, acrescentou, referindo, em particular a espinhosa questão da fronteira entre a Irlanda do Norte, abrangida pelo ‘Brexit’, e a Irlanda, que continua a ser um Estado membro da UE.

Theresa May é a primeira personalidade convidada por Emmanuel Macron para o forte de Brégançon, cuja gestão o Eliseu retomou recentemente ao Centro dos Monumentos Nacionais (CMN) para que volte a ser local de férias de verão do Presidente e este último possa aí receber hóspedes internacionais.

Lusa/fim