Bancos comerciais estão abertos às condições de operacionalização do Protocolo de Financiamento à Economia

Cidade da Praia, 31 Ago (Inforpress) – Os bancos comerciais da praça financeira cabo-verdiana manifestaram-se hoje sensibilizados e abertos ao Protocolo de Financiamento à Economia existente com Governo, criado para colmatar as dificuldades ao nível do financiamento do tecido empresarial local.

Este propósito foi demonstrado durante o acto de “Declaração Pública sobre a criação das condições de operacionalização do Protocolo de Financiamento à Economia”, realizado hoje na Câmara de Comércio de Sotavento, na Cidade da Praia, onde o projecto foi apresentado como a materialização da estratégia do Governo no empoderamento do sector empresarial e na facilitação do financiamento à economia.

Na ocasião, o presidente do conselho executivo da Caixa Económica de Cabo Verde alertou, entretanto, que os bancos têm a obrigação de fazer uma gestão prudente e cautelosa de risco, o que implica análise rigorosa dos projectos e dos promotores, de forma a minimizar os créditos vencidos/malparados, tidos como a principal preocupação dos bancos comerciais e do banco central.

António Moreira considera que a solidez no sistema bancário depende da qualidade da sua carteira de crédito, pelo que entende como sendo determinante a questão do crédito vencido, que em Cabo Verde “é três vezes aquilo que é o nível da Europa”, com um rácio de vencido superior a 15 por cento.

Por isso, afirma que os bancos aprovaram créditos cujo nível de risco não deveria ser aceite, mas confirma que as condições já estão criadas para que os processos possam ser recebidos, tratados e enquadrados no âmbito do protocolo do ecossistema, que prevê o financiamento do banco com os seus recursos, mas com garantia de Estado para actividades em áreas como turismo, comércio, inovação e internacionalização.

Ainda assim, assegura que os projectos e os promotores devem reunir as condições de financiamentos, de forma que os projectos sejam elegíveis, os promotores credíveis e estarem em condições de normalidade, tanto com à banca, mas também com o próprio sistema nacional do Governo como o INPS e o fisco de entre outros.

Em representação do Governo, a assessora especial do vice-primeiro ministro e ministro das Finanças, afirmou que os bancos aderiram desde a primeira hora ao protocolo e que já estão criadas as condições técnicas para a sua operacionalização após sessões de esclarecimentos, para que os projectos elegíveis sejam enquadrados no protocolo.

Adalgisa Vaz assegura, deste modo, que os bancos estão engajados, empenhados e com todas as condições criadas a nível da sua rede comercial para operacionalizar, ainda que alguns promotores alegam dificuldades no acesso ao financiamento, quando os bancos reclamam da falta de procura.

O protocolo de financiamento à Economia, assinado em Abril, enquadra-se no objectivo do Governo de colmatar as dificuldades ao nível do financiamento do tecido empresarial local, através de um conjunto de facilidades prestado pelo Executivo, de modo a reforçar e tornar mais acessível, e menos caro, as opções de financiamento às empresas cabo-verdianas.

SR/FP

Inforpress/Fim