Associação Cultural e Desportiva Maracanã destaca-se na integração social dos jovens através da prática do desporto

Cidade da Praia, 09 Ago (Inforpress) – A Associação Cultural e Desportiva Maracanã, criada há quatro anos, por jovens da zona de Ponta de Agua, na Cidade da Praia, tem se destacado na integração social dos jovens, através da prática do desporto.

Em declarações à Inforpress, o coordenador das actividades da Associação Cultural e Desportiva Maracanã, Carlos Tavares, disse que depois da criação dessa agremiação a criminalidade no bairro diminuiu consideravelmente e que o bairro ganhou uma nova imagem e dinâmica.

“Nós usamos o desporto como forma de integração das crianças e dos jovens na sociedade, sendo que a nossa responsabilidade maior é a social, na ajuda dos mais carenciados”, explicou este responsável.

Para isso, avançou que junto à comunidade, para além das ajudas com materiais escolares e alimentares, tem feito um trabalho de sensibilização com as crianças que, por sua vez, vão servir de portadoras de mensagens positivas às famílias e à sociedade.

“Com isso, vamos melhorar a imagem da nossa comunidade e incutir valores que estão a perder e sobrevalorizados”, explicou.

E para salvaguardar e recuperar os valores de inclusão e promover a igualdade de oportunidade e de género, Carlos Tavares acrescentou que a associação tem feito um trabalho colaborativo com as entidades locais e a Câmara Municipal da Praia.

De entre essas actividades, apontou a distribuição de cestas básicas , materiais escolares para crianças desfavorecidas, assim como actividades culturais e desportivas, principalmente com a escola de iniciação de futebol “Maracanã”.

E a este nível, Carlos Tavares regozija-se com o facto do capitão da selecção de futebol de sub-16, medalha de prata nos Jogos da CPLP, Hélio Semedo, ser jogador da escola Maracanã.

O titulo de campeão da Liga Play em sub-13 e finalista do campeonato regional de Santiago Sul em sub-17,são outros ganhos que orgulham a Associação Cultural e Desportiva Maracanã.

Acrescentou, por outro, que o nível de interesse e de desempenho dos alunos é maior, ajuntado à diminuição do abandono escolar que era muita alta na comunidade.

“Por tudo isso, o balanço desses quatro anos de existência da associação é extremamente positivo, a todos os níveis”, notou.

No entanto, defendeu que este tipo de trabalho tem que ser feito junto com outros parceiros, ou grupos de pessoas com alguma sensibilidade social.

E como prova disso, um grupo de amigos organiza sábado, no Pavilhão Desportivo Vavá Duarte, um “torneio solidário” de futebol a favor da Associação Cultural e Desportiva Maracanã, de Ponta d’Água, bairro da zona norte da Cidade da Praia.

O torneio vai contar com as equipas de SPC, Gang Casa Mana, The Get Down e o Envolventes FCF, que das 15:30 às 20:00 vão competir no sistema todos contra todos, a uma volta, apurando-se para a final as que conseguirem o maior número de pontos.

“A nossa sociedade tem muitas pessoas que necessitam de ajuda e este tipo de iniciativa pode incentivar outras pessoas a promover outros tipos de eventos beneficentes”, disse este activista social.

O coordenador das actividades da Associação Cultural e Desportiva Maracanã, Carlos Tavares, classificou esta iniciativa de “louvável” porque, segundo observou, a comunidade de Ponta d’Água conta com muitas pessoas que necessitam de alimentação diária e permanente.

“É um trabalho que fazemos ao longo dos anos e, sempre que aparece um parceiro ou grupo de pessoas para nos ajudar, é uma mais-valia”, frisou Carlos Tavares, um dos membros fundadores dessa associação, que já conta com quatro anos de existência.

A Associação Cultural e Desportiva Maracanã é uma organização sem fins lucrativos, que usa o desporto, as actividades culturais e recreativas para ajudar as crianças e adolescentes desfavorecidos do bairro de Ponta d’Água e das zonas vizinhas a incutir valores sociais, educativos e uma sã convivência na sociedade.

Tem como principal objectivo a inclusão social, como a promoção da igualdade de oportunidade e de género.

OM/JMV

Inforpress/Fim