Arlindo do Rosário promete maior desempenho em prol da saúde mental

 

Cidade da Praia, 10 Out (Inforpress) – O ministro da saúde prometeu hoje um maior desempenho em prol da saúde mental, visando com isso a exigência de criar melhores condições de labor para os trabalhadores cabo-verdianos.

Arlindo do Rosário,  que falava na cerimónia comemorativa do Dia Mundial da Saúde Mental, promovida pela A Ponte, disse ainda que o tema saúde mental no trabalho desafia a todos a explorarem horizontes de compreensão e de intervenção sobre as questões relacionadas com o tema.

“A saúde mental projectada no domínio do trabalho deve ser vista não só como fruto de doenças orgânicas, mas também como fruto de ecossistemas de labor e vivência. Os lugares de trabalho podem ser ambientes saudáveis, mas podem de desequilíbrios quando questões pessoais ou colectivas não se ajustam às condições consideradas como aceitáveis”, disse.

Para o presidente da A Ponte, Daniel Ferreira, trabalhar a saúde mental tem sido a tarefa que a associação adoptou para fazer a caminhada rumo à construção de um “ambiente favorável” a saúde mental no mundo do trabalho.

Na sua mensagem alusiva à data,  referiu-se aos colegas que assumiram a presidência da A Ponte e que “batalharam” sempre para melhor saúde mental no país, despedindo-se do seu reinado que tinha começado em 2010.

Por sua vez, Edith Pereira,  que falou em nome do representante da OMS em Cabo Verde, fez referência a dados que indicam que a nível mundial 10 por cento dos trabalhadores suspendem a sua actividade laboral devido a depressão.

“O Dia Mundial é uma oportunidade para incentivar diálogos sobre a saúde mental no local de trabalho, por forma a promover melhores práticas, reduzir o comportamento negativo e capacitar indivíduos”, indicou.

Nesta terça-feira, A Ponte assinou um protocolo de parceria com a CV-Telecom e o Ministério da Saúde e Segurança Social.

Combater o preconceito e o estigma à volta da saúde psicológica é um dos objectivos do dia 10 de Outubro, que foi criado em 1992, pela Federação Mundial de Saúde Mental (World Federation for Mental Health).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a saúde mental uma prioridade e defende que a enfermidade não é estritamente um problema de saúde.

PC/JMV

Inforpress/fim