Alunos do 8º ano deixam de pagar propinas a partir do ano lectivo 2018/2019 – ministra (c/áudio)

Cidade da Praia, 20 Ago (Inforpress) – Os alunos do 8º ano de escolaridade deixam de pagar propinas a partir do ano lectivo 2018/19, cujo início está previsto para Setembro, garantiu hoje a ministra da Educação, Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal.

Desde o ano passado que os alunos do 7º ano de escolaridade deixaram de pagar as propinas, e, este ano, é vez daqueles que vão frequentar o 8º ano de escolaridade.

Em conversa com os jornalistas a propósito da reunião do Conselho do Ministério, que decorre na Cidade da Praia, a ministra disse que o objectivo do Governo é levar a cabo esse processo de forma gradual, sendo que a intenção é de garantir a isenção generalizada no ensino secundário.

“A educação deve ser sempre inclusiva, e, desta forma, temos de garantir que os nossos alunos tenham melhores condições e também garantir que os familiares estejam melhor. Neste sentido, neste ano lectivo os alunos do 8º ano de escolaridade deixam de pagar propina”, anunciou Maritza Rosabal.

O grande objectivo desta medida, salientou a governante, é de combater, sobretudo o abandono escolar, que conforme indicou, é mais expressivo no ensino secundário.

Para já, sem avançar números, Maritza Rosabal adiantou que no ano lectivo ora findo, foi registado melhorias a esse nível.

“Os dados mostram uma ligeira diminuição dos abandonos, facto que consideramos muitíssimo importante, sobretudo, a nível do ensino secundário, onde o abandono tem sido mais expressivo. Estas descidas mostram que está-se a ser mais eficaz no relacionamento com os alunos e na inclusão”, disse.

Segundo adiantou, haviam algumas práticas de gestão no sistema educativo que eram excludentes e que foram modificadas pela nova equipa directiva do sistema educativo, resultando também na melhoria do ensino aprendizagem.

Durante três dias, o Conselho do Ministério, que integra delegados do Ministério de Educação de todos os municípios do país, vai analisar os resultados do ano lectivo findo, concelho a concelho, e analisar os desafios de cada região e estabelecer directrizes para os ultrapassar.

Segundo Maritza Rosabal, de uma forma global, os resultados foram positivos, com melhorias, sobretudo, no 1º e 5º anos de escolaridade, e uma manutenção da situação a nível do ensino secundário.

Além da isenção de propina aos alunos do 8º ano de escolaridade, o novo ano lectivo vai ser marcado pelo reforço da vertente tecnológica nas escolas com aposta na questão da literacia digital dos professores e distribuição de ‘tablet’ aos alunos, sobretudo, nas localidades onde o acesso à tecnologia é mais difícil.

Neste sentido, a governante adiantou que 44 laboratórios tecnológicos vão estar a funcionar nos estabelecimentos educativos, visando também a questão da inclusão dos alunos.

Em termos de materiais escolares adiantou que está-se a ter “muito cuidado” com a revisão, por forma evitar situações registadas no ano passado.

“Vão sair novos materiais, este ano, que são experimentais, no caso do 2º, 6º e no 8º anos de escolaridade. Também há uma melhoria nos programas e materiais de 5º ano, caso do Português e da Matemática. Então, está esse processo a decorrer de forma normal”, explicou.

Os cadernos e os manuais já consolidados vão ser colocados para venda nas livrarias, mas os materiais experimentais devem ser adquiridos nas escolas.


MJB/CP

Inforpress/fim